Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

“Vilão Loki mostra o lado obscuro da natureza humana”, diz ator de ‘Thor’

Tom Hiddleston, que interpreta o personagem nos filmes da Marvel, compara as características da vilania com a personalidade de todos os seres humanos

Por Raquel Carneiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
31 out 2013, 15h19

O ator britânico Tom Hiddleston é um exemplo de coadjuvante que rouba a cena do protagonista. Como o vilão Loki, que apareceu pela primeira vez em Thor (2011) e mais tarde em Os Vingadores (2012), Hiddleston e sua aparência levemente andrógina compõe o personagem mais cruel e desequilibrado da Marvel no cinema. Apesar da maldade, Loki se destacou e até mesmo conquistou os fãs de filmes de super-heróis por sua afiada ironia e seu charme perigoso e ambíguo.

“Loki mostra os aspectos obscuros da natureza humana – solidão, inveja, raiva e desespero – e esses são sentimentos muito humanos”, diz o ator em entrevista com a equipe da Disney, produtora do filme, concedida ao site de VEJA. “Por um lado, ele é um psicopata descontrolado, um agente do caos, uma espécie de maluco. Mas no aspecto humano, sua psicologia e cenário emocional são muito interessantes porque ele é inteligente, mas também desequilibrado.”

Bem adaptado ao personagem, o ator volta a viver o irmão adotivo de Thor (Chris Hemsworth) no longa Thor: O Mundo Sombrio, que chega aos cinemas brasileiros na próxima sexta-feira. Um pouco mais inofensivo, já que ele foi julgado e está preso por todos os crimes até então cometidos, ele continua a ser o mais interessante da história e supera até mesmo o verdadeiro vilão do novo filme, o elfo negro Malekith, vivido por Christopher Eccleston.

Leia também:

Chris Hemsworth e Natalie Portman falam sobre retorno de Thor; assista ​

Continua após a publicidade

A vez dos vilões: por que personagens sombrios são tão amados na ficção

Após interpretar três vezes o mesmo papel, Hiddleston analisa os motivos da popularidade de Loki. “Ele ainda é egoísta, vaidoso, arrogante e orgulhoso, mas também é elegante e divertido. Ele tem muito carisma, e é por isso que eu adoro interpretá-lo. Não é só um cara mau. Ele é alguém que conhece sua natureza verdadeira e se diverte com isso”, conta.

Ao contrário do primeiro longa da franquia, que se passava na Terra, o filme dirigido por Alan Taylor explora com mais detalhes Asgard e seus nove mundos, morada de Thor e Companhia. Para as cenas externas, regiões desabitadas da Islândia foram escolhidas como cenário principal. “A Islândia tem uma qualidade extraterrena. Nós filmamos em um campo de lava vulcânica que foram perfeitas para as cenas épicas.”

Continua após a publicidade

Humanos e deuses – Na mitologia nórdica, berço de Thor e seu inseparável martelo, os deuses não são imortais. Porém, alguns de seus personagens são dotados de poderes, grande força e uma sobrevida de alguns milhares de anos. Mesmo com todo o cenário de fantasia, Tom Hiddleston acredita que uma história como a de Thor só consegue se firmar pelo fato de ser uma expressão do drama humano.

“Nós temos essa relação com personagens fantásticos: no fundo, eles são como nós. Eles se apaixonam; sentem falta de amor. Enfrentam obstáculos para conseguir o que querem; eles brigam em família; encaram desafios”, diz o ator. “Ao mesmo tempo, no filme, há explosões em 3D e cenas de ação cinematográficas. Elas empolgam e emocionam, e é por isso que as pessoas vão ao cinema. Com filmes podemos esquecer um pouco da vida; escapar para outra história que talvez se pareça com a sua, mas revestida de uma aura mágica.”

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.