Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Tudo ia bem na escalação de uma deficiente no ‘BBB’. Até que…

Marinalva não era lembrada por sua deficiência, até que o assunto entrou em pauta com altas doses de controvérsia nas redes sociais

Por Da redação Atualizado em 3 abr 2017, 21h55 - Publicado em 3 abr 2017, 21h07

A escalação de um participante com deficiência física no Big Brother Brasil era um pleito antigo de quem se interessa pelo tema. Não à toa: se qualquer pessoa no planeta tem suas limitações, por que as dos “deficientes” invalidariam a participação no jogo de convivência? Que é, afinal, um simulacro do mundo aqui fora, onde as provas de resistência e as provas da comida são bem piores que as do reality show da Globo.

A paratleta Marinalva de Almeida, que disputou vela na Paralimpíada do Rio no ano passado, não tem uma das pernas, mas essa nem de longe foi a característica que ficou da competidora para o público. Chata e falsa para alguns, determinada para outros, acabou vista como uma participante como outra qualquer, para o bem e para o mal. As supostas limitações físicas desapareceram – recorreu sempre à sua prótese quando necessário e sempre esteve entre os melhores nos desafios de resistência.

Estava, em suma, tudo muito bossa nova, tudo muito natural, até que o assunto entrou em pauta com altas doses de controvérsia nas redes sociais. Ao ensinar Emilly a jogar xadrez, Marcos perguntou para a namorada como se chamava uma das peças. “Cavalo manco”, disse a gaúcha. “Marinalva”, respondeu ele. A jovem, talvez percebendo que a conversa ia para um caminho que poderia prejudicar o casal, alertou: “Marcos, cuidado”. O diálogo dominou a internet, com parte do público revoltado por considerar que o médico estava chamando Marinalva de “cavalo manco”.

Em outro momento, Marcos afirmou que Marinalva se faz de vítima vez ou outra. “Eu sei que é f* de falar isso, mas eu tenho a impressão de que ela usa da deficiência física para…”, começou. “Para se beneficiar?”, completou Emilly. “É. Tipo, hoje é um dia em que ela não vai botar perna mecânica, a prótese. No dia em que ela quer se passar por coitada ela fica o dia inteiro de muleta, sofrendo, sofrendo”, disse o gaúcho.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês