Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Tatá Werneck, a lady insana que lidera a nova safra de talk shows

Gênero virou o santo graal da televisão moderna, como mostra a mais recente leva de atrações

Por Marcelo Marthe Atualizado em 13 Maio 2017, 12h11 - Publicado em 13 Maio 2017, 08h00

Quase caindo do sofá azulão, a guru natureba Bela Gil está com cara de quem espera qualquer bomba vinda da entrevistadora hiperativa à sua frente. Tatá Werneck, então, dispara: “Seu cocô é diferente?”. Insólito e engraçadíssimo, o debate escatológico que se segue resume o espírito sem estribeiras do Lady Night, talk show comandado por Tatá. A atração encerrou na semana passada uma bem-sucedida primeira temporada de 25 entrevistas exibidas diariamente no canal Multishow. Teve 11 milhões de espectadores e foi, no seu horário, a maior audiência da TV paga. Mas o barulho que causou foi tão notável que uma nova temporada será gravada a toque de caixa, em julho (enquanto isso, os programas já exibidos são reprisados em vários horários pelo canal; também estão no Now e no Globosat Play). O Lady Night não é um exemplo isolado da efervescência dos talk shows. A televisão brasileira vive tempos bocudos.

No ano passado, o gênero revitalizou-se, graças à disputa entre três programas capitaneados por humoristas — ao The Noite, que Danilo Gentili já fazia no SBT, somaram-se o Adnight, de Marcelo Adnet, na Globo, e o Programa do Porchat, de Fabio Porchat, na Record. Mas sempre há lugar para mais um no bate-papo no sofá. Além do Lady Night, está no ar há duas semanas o Conversa com Bial, em que o ex-âncora do BBB assume a vaga diária deixada por Jô Soares nas madrugadas da Globo. Nas noites de sexta-­feira da HBO, acaba de estrear o Greg News, de Gregório Duvivier, humorista do Porta dos Fundos e expoente do hipsterismo fofinho.

Para ler a reportagem na íntegra, compre a edição desta semana de VEJA no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Publicidade