Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Sucesso de Leonardo da Vinci em SP revela força das exposições imersivas

Mostra no MIS se aproxima dos 270 000 visitantes: tecnologia a serviço da ampliação de público

Por Raquel Carneiro Atualizado em 24 jan 2020, 11h06 - Publicado em 24 jan 2020, 06h00

O famoso sorriso da Mona Lisa ganha uma nova dimensão quando observado pelos critérios técnicos do engenheiro Pascal Cotte. Por mais de uma década, o francês despiu (ops) a obra mais celebrada de Leonardo da Vinci com uma câmera multiespectral. Ao isolar digitalmente camadas de verniz, o aparelho revelou detalhes como os traços do que seriam suas sobrancelhas e suas possíveis cores originais — de tonalidade mais azul que a do quadro ocre em exposição no Museu do Louvre, em Paris. A ferramenta tecnológica acrescentou mais um conto à fieira de mistérios que sempre cercaram aquele inefável sorriso: ao que parece, a mulher da pintura originalmente franzia os lábios de modo mais enfático.

Desde o dia 2 de novembro, a contraposição do quadro a essas imagens reveladoras é um belo atrativo da mostra imersiva Leonardo da Vinci — 500 Anos de um Gênio, em cartaz no MIS Experience, em São Paulo. Com investimento de 8,5 milhões de reais, a exposição de origem australiana, montada em um galpão de 2 000 metros quadrados, ainda apresenta réplicas de máquinas inventadas por Da Vinci em tamanho real, além de telas táteis interativas. Mas o clímax se dá em uma sala com 34 telões de alta resolução, nos quais imagens em movimento reproduzem obras de Da Vinci ao som de música barroca e cantos gregorianos. As projeções só dividem as atenções com os famigerados smart­phones: vídeos e fotos validam a visita ao ser compartilhados nas redes sociais. Em pouco mais de dois meses, a mostra soma quase 270 000 visitantes.

+ Compre o livro MoMA Highlights na Amazon
+ Compre a biografia de Leonardo da Vinci na Amazon
+ Compre o livro Leonardo na Amazon

Embalada para oferecer informação, experiência e, claro, cenários para selfies, a exposição do MIS, que fica no país até 1º de março, é exemplo notável da busca de adaptação dos museus ao gosto dos novos tempos. Hoje, a tecnologia impõe-se como aliada na missão de atrair mais gente para a apreciação da arte. As chamadas “expo­sições imersivas” são a ponta de lança desse processo. Surgidas na Europa nos anos 80 e disseminadas no Brasil a partir da pioneira mostra 50 Anos de TV e +, realizada em São Paulo no ano 2000, elas foram por muito tempo uma exceção no circuito dos grandes museus, que torciam o nariz ao seu apelo popular. Agora, o jogo se inverteu. A imersão virou mainstream — em outras palavras, um recurso que ninguém dispensa. E por um bom motivo: ela ajuda a levar aos museus um público arredio à monotonia das exposições tradicionais.

Uma prova eloquente de sua onipresença: o próprio Louvre, que recebe 10 milhões de visitantes por ano, percebeu a importância de se reciclar com o auxílio da tecnologia. Na mostra espetacular dos 500 anos de Da Vinci inaugurada em outubro pela instituição parisiense, trabalhos originais do pintor convivem com a mundana realidade virtual: no final do percurso, há filas e filas pela chance de fazer uma viagem pelo cenário da Mona Lisa com óculos 3D. “A cultura se tornou imersiva. Não é opção, é necessidade. O vocabulário sensorial está ampliado. Se antes uma pessoa se contentava com uma TV de tubo, hoje ela quer uma 4K”, analisa o curador Marcello Dantas, um dos primeiros a aliar arte e tecnologia no Brasil.

As novas táticas dos museus incluem não apenas a imersão: passam pela readequação do espaço para atender às suscetibilidades politicamente corretas e facilitar a produção das imagens para o Instagram, como ocorre na versão reformulada do MoMA nova-iorquino. O uso de hologramas é outra fronteira explorada. O Museu do Holocausto de Illinois, na pequena cidade americana de Skokie, de 65 000 habitantes, tem atraído o dobro de sua população em visitantes por ano ostentando como trunfo hologramas interativos que imortalizam os testemunhos de sobreviventes dos campos de concentração. Mais que ser um chamariz, a tecnologia permite democratizar o acesso à arte. “Mostras imersivas são uma ótima maneira de viajar com obras sem de fato ver as obras físicas”, diz o diretor-geral do MIS, Marcos Mendonça. A tecnologia, em suma, traz o sorriso da Mona Lisa ao alcance das massas.

Publicado em VEJA de 29 de janeiro de 2020, edição nº 2671

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR


MoMA Highlights

Leonardo da Vinci

Leonardo

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês