Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Sandra Annenberg revela: ‘Sofri preconceito, sofri assédio sexual’

Em entrevista jornalista disse ser feminista e defender a igualdade de direito entre os sexos

Por Da Redação 21 jun 2016, 12h16

A sempre bem-humorada Sandra Annenberg deu uma entrevista à revista Contigo, publicada nesta semana, em que revelou que já passou por momentos bem difíceis na sua carreira e que já foi vítima de machismo. “Eu fui discriminada, sofri preconceito, sofri assédio sexual, como todas as mulheres, mas eu fui reagindo. Nós mulheres temos de provar muito mais que somos capazes. Todos os dias”, desabafou a jornalista, que disse ficar feliz por entregar à filha um mundo um pouco mais justo.

LEIA TAMBÉM:

Acidente afasta jornalista Sandra Annenberg da TV por alguns dias

Durante a entrevista, a apresentadora do Jornal Hoje também afirmou que foi criada por uma feminista e que é feminista, pois luta pela igualdade de direitos entre todos os sexos. “Eu me orgulho muito de ter sido a primeira mulher a entrar diariamente no Jornal Nacional, a ter um quadro fixo como menina do tempo. Sou de um tempo em que a mulher dividia a bancada como um refresco para os olhos, como se ela não tivesse o que dizer”, comentou.

Sandra também analisa que esse perfil machista que via no jornalismo mudou ao longo dos anos. “Sou de um tempo que o homem abria o telejornal e a mulher vinha na sequência. Eu perguntava: ‘Por que todo dia é ele que abre?’ Parece bobagem, mas é muito significativo. Socialmente a mulher sempre teve um papel menor, profissionalmente menor ainda. Os salários são diferentes, sempre mais baixos, mesmo na mesma função de um homem”, afirma.

A jornalista está há 15 anos trabalhando no Jornal Hoje, e já cobriu diversos eventos internacionais, como Copas do Mundo e eleiçõs dos novos papas. Mas ela contou à revista que o momento que mais a marcou foi uma reportagem sobre viciados em crack, exibida há três anos. “A matéria mostrava um sinal invertido: uma filha à procura da mãe viciada. Ela encontra a mãe, que pede ajuda: ‘Filha, me tira daqui’. Até hoje me lembro, porque é muito chocante e dolorido. O jornal voltou e eu não conseguia falar”, recorda Sandra Annenberg.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês