Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Roberto Carlos agora defende ‘biografia com regras’

Na TV, cantor diz não ser contra publicação de livros sem aval de personagens, mas anuncia que fará sua autobiografia por ser "o melhor" para falar de si

Por Da Redação 27 out 2013, 21h56

“O biógrafo pesquisa uma história que está feita pelo biografado. Ele não cria uma história, ele narra aquela história que não é dele, é do biografado. E a partir do momento que ele escreve, ele passa a ser dono da história. E isso não é certo”, crê o cantor

O cantor e compositor Roberto Carlos afirmou neste domingo ser favorável ao projeto de lei 93/2011, que pode acabar com a restrição à publicação de biografias sem autorização prévia no país. No entanto, ele defendeu que é necessária uma nova legislação que dê limites às informações publicadas. Roberto Carlos disse que os juristas devem “estabelecer regras que não prejudiquem o biografado” e chegar a “uma solução razoável para todo mundo”.

O músico é um dos pivôs da proibição encampada pelo movimento Procure Saber, que tem apoio de Chico Buarque e Caetano Veloso, por exemplo. A Associação Nacional dos Editores de Livros (Anel) batalha contra o Procure Saber no Supremo Tribunal Federal, com uma ação direta de inconstitucionalidade contra os artigos 20 e 21 do Código Civil, que condicionam a publicação de biografias ao aval dos personagens retratados ou de seus herdeiros. Em 2007, Roberto Carlos conseguiu retirar das livrarias a obra Roberto Carlos em Detalhes, escrita pelo repórter Paulo Cesar Araújo sem o seu consentimento. Uma possível liberação do texto de Araújo, segundo ele, “tem de ser discutida”.

Biografia de Roberto Carlos escrita por Paulo Cesar Araujo
Biografia de Roberto Carlos escrita por Paulo Cesar Araujo VEJA

“Sou a favor das biografias sem autorização, porém com certos ajustes que tem de acontecer”, disse o cantor em entrevista ao programa Fantástico, da TV Globo, emissora com a qual mantém contrato. “[Os ajustes] têm de ser discutidos. Tem que haver um equilíbrio e alguns ajustes para que essa lei não venha a prejudicar nem um lado nem outro, nem o do biografado nem o do biógrafo. E que não fira a liberdade de expressão nem o direto à privacidade.”

O cantor disse que a proposta defendida por biógrafos e jornalistas para a liberação das publicações não teria efeito. Os escritores defendem os textos não precisem de aval prévio – considerado um tipo de censura – e que os biografados procurem a Justiça para reparar eventuais erros, calúnias ou difamações presentes nos livros. “Isso não funcionaria muito não”, disse o cantor, ao argumentar que a obra já estaria publicada na internet.

Leia também:

‘É batalha perdida para Caetano e Chico’, diz biógrafo de Roberto Carlos no ‘Saia Justa’

Continua após a publicidade

Autobiografia – Roberto Carlos aproveitou a entrevista para anunciar que está preparando a própria biografia. Segundo ele, a própria história talvez não caiba em um só livro: “Vou contar tudo o que acho que tem sentido de contar em relação ao que senti e ao que vivi”.

O cantor prometeu abordar o acidente em que perdeu uma perna, ao ser atropelado por um trem. “Ninguém poderá contar do meu acidente melhor do que eu. Ninguém poderá dizer o que aconteceu, o que eu senti e passei com todos os detalhes que eu posso. Isso aí só eu sei”.

Roberto Carlos também argumentou que os escritores passam a ser donos da história alheia quando publicam uma biografia – o que para ele é incorreto. “O biógrafo pesquisa uma história que está feita pelo biografado. Ele não cria uma história, ele narra aquela história que não é dele, é do biografado. E a partir do momento que ele escreve, ele passa a ser dono da história. E isso não é certo”, acredita o cantor.

Leia também:

‘Ninguém é dono da verdade’, diz Ivan Lins sobre biografias

‘O Brasil vive o monopólio da autobiografia’, diz advogado da Anel

‘O filho do Sérgio Buarque de Holanda quer proibir livros de história?’

Ministério Público Federal diz não à mordaça às biografias

Continua após a publicidade
Publicidade