Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Remake de ‘Guerra dos Sexos’ tenta entender a classe C

Loja herdada de tio milionário vai concentrar as brigas de Charlô, interessada em popularizar o comércio, e Otávio, que teima em manter a abonada clientela

Por Mariana Zylberkan 17 ago 2012, 23h37

O remake de Guerra dos Sexos trará como novidade em seu roteiro um tema bem atual: a necessidade do comércio de se adaptar ao novo perfil do consumidor brasileiro. Os primos Chalô e Otávio, vividos, respectivamente, pelos atores Irene Ravache e Tony Ramos, vão divergir na forma de administrar a fictícia loja Charlô. “Enquanto Charlô vai querer fazer promoções e atrair esses consumidores da classe popular, Otávio vai discordar da estratégia e bater o pé para manter a loja refinada”, diz o autor Silvio de Abreu em encontro com a imprensa nesta sexta-feira.

A nova versão de um dos ícones da teledramarturgia brasileira, exibido em 1983, tem estreia prevista para para 1º de outubro, na faixa das sete.

Esse aspecto reafirma a intenção da emissora em atrair a audiência da nova classe média em ascensão no país, movimento visível nas atuais novelas Cheias de Charme, protagonizada por três empregadas domésticas, e Avenida Brasil, que concentra o maior elenco já designado ao núcleo popular, no caso, o bairro periférico do Divino.

A ideia de fazer uma nova versão de Guerra dos Sexos surgiu em 2010 por ocasião das comemorações dos 45 anos da TV Globo. De acordo com Abreu, a intenção era fazer um filme protagonizado por Fernanda Montenegro e Paulo Autran nos papéis principais, assim como a trama original. Por uma série de entraves (a Fox, que iria produzir em parceria com a Globo, não aceitou a proposta da emissora em lançar o longa na TV antes de no cinema), o longa-metragem não saiu do papel, mas a ideia ficou na cabeça do autor e de Jorge Fernando, responsável pela direção do remake.

“O que me intrigava ao rever o roteiro foi perceber como o mundo mudou. A relação entre homem e mulher é outra, as gírias também. Até eu sou diferente. Sendo assim, eu reescrevi toda a novela, mas mantive as melhores ideias e piadas, por isso é uma nova trama, não pode ser chamada de remake”, diz Abreu.

Para manter a ligação com a trama original e, ao mesmo tempo, garantir o frescor da novidade, a versão 2012 de Guerra dos Sexos vai ser protagonizada pelos sobrinhos de Charlô e Otávio. Apesar da diferença, o cerne da trama continua o mesmo: a disputa dos personagens pelos negócios do tio milionário.

Continua após a publicidade

Publicidade