Clique e assine a partir de 9,90/mês

Relembre os melhores momentos de Roberto Bolaños em ‘Chaves’

Por Da Redação - 29 nov 2014, 09h20
Rubén Aguirre, Roberto Gómes Bolaños, Maria Antonieta De Las Nieves e Horacio Gómes Bolaños, no seriado “Chaves” VEJA

O seriado Chaves tinha como uma das principais características a criação de bordões, como “Tinha que ser o Chaves, mesmo”, dito por Seu Madruga, ou “Ninguém tem paciência comigo”, imortalizada pelo próprio protagonista. A fixação dos bordões na memória popular era possibilitada pelo tamanho curto das frases, uma das táticas em que Roberto Bolaños mais investia.

Além das frases de efeito que eram repetidas inúmeras vezes na série, outras cenas clássicas ficaram marcadas na memória dos fãs, como o desânimo de Chaves ao acompanhar os outros personagens para assistir a um determinado filme, quando gostaria de ter ido assistir “ao Pelé”. Ou o número musical Que Bonita Sua Roupa, que retrata nos versos a vida do garoto maltrapilho que mora no barril de uma vila de classe média.

Leia também:

Seu Barriga’: ‘Roberto, você não se foi, permanece em meu coração’

Último tuíte de Roberto Bolaños foi dedicado ao Brasil

SBT interrompe ‘Chaves’ para anunciar morte de Bolaños e prepara homenagens

A morte de Bolaños deixa órfã uma geração de fãs brasileiros que cresceu assistindo aos episódios de Chaves, a sua principal criação, reprisados exaustivamente pelo SBT ao longo das últimas três décadas. Um grupo de admiradores fiel que, ignorando todas as limitações técnicas da produção, sempre garantiu ótimos resultados de audiência ao programa mexicano – e sempre mostrou um impressionante poder de mobilização a cada ameaça de cancelamento das exibições do seriado, com campanhas fora e dentro das redes sociais. Nesta sexta, com a notícia da morte do humorista, a direção do SBT estuda levar ao ar um especial para homenageá-lo.

Razão de tanto carinho, a história do garoto orfão que “sem querer querendo” inferniza a vida da vizinhança caiu nas graças do público apostando em piadas ingênuas e sem apelação: um exemplo claro do tipo de humor que Bolaños pregava. “Quando sobram piadas chulas, é porque falta talento”, afirmou o mexicano em entrevista a VEJA em 1999. Mesmo não sendo um adepto do politicamente correto – como as pancadas de Seu Madruga em Chaves deixam claro -, Bolanõs fugia do humor preconceituoso nos seus roteiros. “Sempre evitei fazer piadas com raças, religiões, opções sexuais e mulheres. Aliás, nos meus programas as meninas sempre são mais inteligentes. No Chaves, era a Chiquinha quem arquitetava os planos mirabolantes”, comentou.

Confira outros momentos marcantes de Chaves:

‘Que Bonita Sua Roupa’

Quem é fã do seriado sabe pelo menos cantar o refrão de Que Bonita sua Roupa, número musical exibido no episódio Uma Aula de Canto de Chaves, que é dedicado especialmente ao garoto maltrapilho que mora em um barril. “Que bonita a sua roupa / Que roupinha mucho louca / Nela é tudo remendado / Não vale nenhum centavo / Mas agrada a quem olhar”, diz a canção. 

Continua após a publicidade

O cão arrependido

Uma das cenas clássicas do seriado é o poema recitado por Chaves no chamado Festival da Boa Vizinhança, realizado na Vila, que deixaria Drummond e Camões com inveja. “Volta o cão arrependido / Com suas orelhas tão fartas / Com seu osso roído / E com o rabo entre as patas”, diz o personagem duas vezes. Ao ser interrompido por Seu Madruga, ele conta que os versos são repetidos outras 44 vezes.

O filme do Pelé

“Teria sido melhor ir ver o Pelé”, diz Chaves no episódio Vamos ao Cinema. O garoto acompanha os outros personagens da Vila ao cinema para assistir a um filme sugerido por eles, mas não fica nem um pouco satisfeito com a escolha e repete inúmeras vezes a frase, irritando todos ao redor. O que poucos sabem é que na versão original, do México, Chaves diz: “Teria sido melhor ir ver o filme do Chanfle”, referindo-se ao protagonista de dois filmes dirigidos por Bolaños. Mas o bordão adaptado pegou entre os brasileiros.

Já chegou o disco voador

Em outro episódio, Seu Madruga combina com Chaves para que o garoto o avise caso Seu Barriga apareça na Vila para cobrar seu aluguel atrasado, dizendo o código enigmático “Já chegou o disco voador”. O problema é que, ao mesmo tempo, Quico está à procura de seu disco voador de brinquedo e grita para a mãe, ”Já se foi o disco voador”, o que causa um nó na cabeça de Seu Madruga, que não sabe se se esconde ou se retoma a sua rotina dentro de casa.

Vendedor de churros

Entre os empregos que Chaves arrumou para conseguir alguns trocados, ou apenas um sanduíche de presunto, estava o de ajudante de vendedor de churros na banca armada por Seu Madruga. Como truque de marketing, ele entoa com uma voz aguda:  “Aqui estão os churros, olha os churros”. Mas a estratégia não funciona e ele acaba vendendo para si mesmo, imitando alguns personagens da Vila.

Continua após a publicidade
Publicidade