Este site utiliza cookies e tecnologias semelhantes para personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao navegar em nosso serviço você aceita tal monitoramento. Para mais informações leia nossa Política de Privacidade
Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Cultura

Releitura de Monet assinada por Banksy é leiloada por R$ 55 milhões

A obra Show Me The Monet do artista de rua inglês Banksy, que faz uma releitura das famosas nenúfares impressionistas de Claude Monet, foi vendida por 7,6 milhões de libras esterlinas em leilão na Inglaterra. O valor, que equivale a 55 milhões de reais (na cotação atual), estava antes estimado entre 3,5 e 5 milhões de libras e foi negociado em uma guerra de lances de cerca de nove minutos de duração, segundo a galeria inglesa Sotheby’s.

A releitura é a segunda obra mais cara do misterioso artista — a satírica Devolved Parliament, que representa os membros do parlamento britânico como chimpanzés, foi vendida por quase 9,9 milhões de libras em outubro do ano passado – algo em torno de 72 milhões de reais.

Show Me The Monet remonta o cenário da ponte japonesa sobre um lago com lírios d’água, capturada por Monet em jardins de Giverny, mas o polui com carrinhos de compras e um cone de trânsito. A obra integra uma série de quadros nomeada de Crude Oils, na qual Bansky subverte obras de arte canônicas ao seu próprio estilo crítico, como fez com os girassóis de Van Gogh e os solitários de Edward Hopper.

“Sempre presciente como uma voz de protesto e dissidência social, aqui Banksy destaca o desrespeito da sociedade pelo meio ambiente em favor dos excessos perdulários do consumismo”, diz o diretor de arte contemporânea da galeria britânica, Alex Branczik, na ocasião do anúncio do leilão.

  • Na quarentena, o artista contemporâneo se reinventou, usando das muitas tensões de 2020 como material para suas produções. Além de compartilhar nas redes sociais uma obra feita no banheiro de casa, homenageou os profissionais de saúde com um desenho doado ao Hospital da Universidade de Southampton, no qual mostra um menino brincando com uma enfermeira vestida de super-heroína, enquanto bonecos de ação do Batman e do Homem-Aranha aguardam no cesto ao lado.

    Em meio aos protestos contra o racismo que tomaram os Estados Unidos mais cedo neste ano, postou uma bandeira americana pegando fogo, vista por um rosto negro. Escreveu: “Primeiro pensei que deveria ficar calado e apenas ouvir as pessoas negras sobre esse assunto. Mas por que fazer isso? Não é problema deles. É meu.”

    Em setembro, o artista que preza pelo anonimato perdeu, justamente por este motivo, os direitos de sua famosa obra em grafite The Flower Thrower, em que um homem com o rosto parcialmente coberto lança um buquê de flores como se fosse um coquetel molotov. A Justiça afirmou que, se não se sabe a verdadeira identidade do artista, logo, não podia garantir seus direitos autorais.

    Continua após a publicidade
    LEIA MAIS

    Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

    Você ainda não tem acesso a esta marca. Escolha uma das ofertas abaixo para assinar

    melhor oferta

    DIGITAL

    Acesso ilimitado a todo conteúdo exclusivo do site de VEJA e a todas edições da revista no site e app 1 ano por 12x R$ 10,80 Somente R$ 2,50/semana

    ASSINE ou
    melhor oferta

    DIGITAL PREMIUM

    VEJA Digital + acesso ilimitado a todo conteúdo exclusivo dos sites Abril: QUATRO RODAS, VEJA SP, VEJA RIO, VEJA SAÚDE, CLAUDIA, SUPER, VOCÊ S/A, VOCÊ RH e PLACAR, incluindo todas edições das revistas no site e app 1 ano por 12x R$ 13,90

    melhor oferta

    DIGITAL + IMPRESSA

    VEJA Digital + a revista impressa semanalmente em seu endereço 1 ano por 12x R$ 26,90

    Acesse quando e onde quiser. Cancele a qualquer momento.