Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Produtor de Kesha nega abusos: ‘Nunca fiz sexo com ela’

Dr. Luke publicou uma série de mensagens no Twitter se defendendo das acusações feitas pela cantora

Por Da Redação 23 fev 2016, 20h42

Acusado de ter praticado abuso sexual, físico e emocional contra a cantora Kesha, o produtor Dr. Luke resolveu usar o Twitter para se defender. Em mensagens publicadas na rede social na noite desta segunda-feira, ele negou que tenha cometido esses atos e afirmou nunca ter feito sexo com a artista. Kesha está processando o produtor e a gravadora Sony e pede que seja liberada de seu contrato com as duas partes. Em uma audiência realizada na sexta-feira, porém, a juíza Shirley Kornreich, da Suprema Corte de Nova York, foi desfavorável à cantora.

LEIA TAMBÉM:

Taylor Swift doa R$ 1 milhão para cantora Kesha

Ke$ha vai para a rehab para cuidar de distúrbios alimentares

Em uma série de tuítes, Dr. Luke disse lamentar que sua conduta esteja sendo especulada por pessoas que não têm informações sobre o caso, mas afirmou compreender a situação. “Eu entendo o motivo das pessoas sem toda a informação estarem falando tão alto. Eu admiro a compaixão delas”, escreveu. O produtor ainda negou com todas as letras as acusações, dizendo que tinha uma relação próxima e amigável com a cantora. “Eu não estuprei a Kesha e nunca fiz sexo com ela. Kesha e eu fomos amigos por muitos anos e ela era como se fosse minha irmã caçula.”

Dr. Luke também criticou o advogado de Kesha, Mark Geragos. Segundo o produtor, Geragos já tinha feito acusações semelhantes contra ele, dizendo que Dr. Luke teria estuprado Lady Gaga – a própria cantora chegou a negar o fato, em 2014.

Reação – Muitas celebridades, sobretudo mulheres, estão se posicionando a favor de Kesha em seu processo contra Dr. Luke e a Sony. Artistas como Lady Gaga, Lorde e Ariana Grande escreveram mensagens no Twitter direcionadas à cantora, usando a hashtag “Free Kesha” (ou “libertem a Kesha”, na tradução livre). E, nesta segunda-feira, Taylor Swift doou 250 000 dólares (cerca de 1 milhão de reais) para ela a fim de ajudá-la nas despesas com o julgamento

Continua após a publicidade

Publicidade