Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Preta Gil vai à delegacia após sofrer ataques racistas na web

Filha de Gilberto Gil foi chamada de 'macaca' e ofendida por seu trabalho como cantora

Por Da redação Atualizado em 26 jul 2016, 17h31 - Publicado em 26 jul 2016, 17h07

Preta Gil foi – de novo – vítima de ataques na internet. A atriz e cantora foi ofendida com comentários em sua página no Facebook na noite desta segunda-feira, quando foi chamada de “macaca” e xingada por seu trabalho como cantora. Segundo a assessoria de imprensa de Preta, ela já abriu uma queixa-crime na Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI), no Rio de Janeiro, na tarde desta terça, na qual expôs o que aconteceu e apresentou os prints das ofensas publicadas em seu perfil.

LEIA TAMBÉM:
Até quando? Cantora Paula Lima sofre ataque racista no Facebook
Atriz negra de ‘Caça-Fantasmas’ é alvo de racistas no Twitter
Ludmilla pede R$ 300 mil de indenização a Val Marchiori
Negra Li tem site hackeado com mensagens racistas

Durante a manhã, Preta também publicou um desabafo em sua página. “Me chamo Preta Maria Gadelha Gil Moreira de Godoy, tenho 42 anos, sou casada, mãe de um homem de 21 anos e avó de uma boneca de 8 meses, sou filha da mistura. Nasci em um país miscigenado, tenho em mim o sangue indígena dos meus tataravós, sangue negro do meu pai, sangue branco da minha mãe e um coração repleto de amor e orgulho pelas minhas origens”, escreveu.

“Desde muito nova convivi com o preconceito de quem não aceitava ver filho de negro em uma escola particular, de quem não consegue aceitar que uma pessoa pode se chamar Preta”, disse. “Além do nome, sempre convivi com o fato de ser diferente aos olhos da maioria; de ser a filha do cantor, de não ter corpo de modelo de passarela, de meu cabelo ser liso (sim, acreditem, tem gente que acha que eu aliso meu cabelo e com isso dizem que não aceito a minha negritude), de mostrar meu corpo no meu CD, de casar com alguém mais novo e por aí vai…”

Preta diz que foi atacada por um grupo organizado, que usava a hashtag #MM ao final de suas publicações. “São covardes, são pessoas vis, não sei quem são. Será que eu deveria não dar atenção ou querer me preocupar com isso? NÃO! Vou me defender em meu nome e de quem mais se sentiu ultrajado com essa verdadeira doença social. Essa epidemia de desamor e ódio que se alastra e atinge a todos.”

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)