Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Pressionada por consumidores, a moda faz seu mea-culpa e expõe abusos

Cientes da prática sistemática de assédio moral e racismo, gigantes do cenário fashion se unem a associação têxtil para transformar o mercado

Por Simone Blanes Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 20 set 2021, 17h23 - Publicado em 18 set 2021, 08h00

Moda é sinônimo de luxo, exclusividade e glamour. Desfiles, modelos, estilistas, roupas lindas e ambientes sofisticados vêm logo à mente quando a palavra é evocada. Mas, visto pelo prisma que os holofotes não alcançam, esse mundo pode ser bastante cruel. Da longa e frágil cadeia produtiva ao assédio moral, racismo, gordofobia, trabalho infantil ou análogo à escravidão e informalidade, a lista de problemas nesse universo é extensa. De forma caricata, esse lado B da moda está retratado no emblemático O Diabo Veste Prada (2006). Embora classificado como comédia, o filme contém passagens explícitas de assédio moral protagonizadas pela poderosa editora de moda Miranda Priestly, a personagem de Meryl Streep. Quem não se lembra da icônica cena em que Miranda joga repetidamente bolsa e casaco em Andy Sachs, a assistente recém-contratada vivida por Anne Hathaway? Ou de frases do tipo: “Detalhes de sua incompetência não me interessam”, dirigida à sua ajudante Emily Charlton (Emily Blunt), ou ainda “Pedi clara, atlética e alegre, e ela me mandou parda, cansada e gorda”, referindo-se a uma modelo?

arte Moda

Quem vive a realidade do mercado, porém, acha que o filme é fábula de criança perto do dia a dia verdadeiro. “O meio da moda no Brasil é pior”, diz uma ex-funcionária de marketing de um grande grupo de moda brasileiro. “Quando o atual CEO assu­miu, ordenou a demissão de todas as funcionárias ‘velhas, gordas e feias’, nas palavras dele”, conta. Essa é apenas uma das várias histórias de abusos cometidos nas confecções, lojas, agências de modelos e backstages de desfiles. “Já vi modelos passarem horas sem comer à espera da boa vontade do diretor do desfile para começar os testes, estilista aos berros só porque uma caneta caiu, chefe tirando comida da boca da assistente, chamando-a de gorda”, relata outra profissional da área. São recorrentes também crimes de racismo e manifestações racistas como a feita pela Prada em 2018. Naquele ano, a grife foi acusada de blackface quando decorou a fachada de sua loja no Soho, em Nova York, com bonecos pretos de lábios vermelhos e grossos. Sem contar o uso de trabalho infantil ou análogo à escravidão, prática abjeta da qual muitos integrantes do segmento se valeram e se valem até hoje.

Pressionados por consumidores mais exigentes em relação à origem dos produtos, o setor decidiu fazer um mea-culpa. O segmento acaba de lançar o movimento ModaComVerso, liderado pela Associação Brasileira do Varejo Têxtil (ABVTEX). A entidade se uniu a grandes marcas como Arezzo, C&A, Dafiti, Renner, Reserva, Riachuelo com o propósito de construir o que chamam de moda socialmente responsável. Nas palavras dos organizadores, o objetivo é estimular a criação de uma cadeia produtiva ética, humana e transparente. “É importante poder nos comunicar para fora do círculo das empresas e jogar luz no setor tanto no seu lado bom quanto no ruim. Assim, podemos conscientizar e resolver”, diz Jayme Nigri, COO da Reserva, uma das marcas do ModaComVerso e considerada um dos poucos bons exemplos entre as grandes da moda — está entre as trinta melhores na Pesquisa Empresas Humanizadas 2020, ligada ao Grupo de Gestão de Mudanças da Universidade de São Paulo (EESC-USP).

Continua após a publicidade
VOCÊ É QUEM MESMO? - Cena de O Diabo Veste Prada: a assistente vira cabide -
VOCÊ É QUEM MESMO? - Cena de O Diabo Veste Prada: a assistente vira cabide – (20th Century Fox/.)

Desde 2010, a ABVTEX realiza audi­torias nas empresas para monitorar os processos da cadeia de fornecimento, do plantio de algodão à confecção, inclusive os realizados por terceiros. Segundo a associação, já foram realizadas mais de 43 000 auditorias, com 3 500 fornecedores aprovados, espalhados em dezenove estados e 615 muni­cípios, beneficiando cerca de 350 000 trabalhadores. “É uma ação efetiva para combater o trabalho análogo ao escravo e infantil e os assédios. Entrevistamos os trabalhadores para identificar situações de abuso, violência e discriminação”, explica Edmundo Lima, diretor executivo da ABVTEX. Se algum problema for comprovado, a empresa tem três meses para resolvê-­lo. Caso contrário, será suspensa e excluída da cadeia produtiva por um período, o que pode significar a morte do negócio. Que bom. A última tendência, pelo visto, é ter consciência.

Publicado em VEJA de 22 de setembro de 2021, edição nº 2756

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.