Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Prefeita de Amsterdã quer proibir acesso de turistas aos ‘coffee shops’

Segundo ela, o mercado cresceu de forma descontrolada e o alto consumo está financiando a ação do tráfico

Por Ernesto Neves Atualizado em 19 mar 2021, 08h57 - Publicado em 19 mar 2021, 06h00

É incontestável que Amsterdã, a capital da Holanda, atrai turistas de toda parte por seus museus espetaculares, sua arquitetura peculiar e sua rede de canais e pontes graciosas. Mas também é fato que uma parcela dos visitantes está de olho em outra coisa: os coffee shops onde é permitido consumir maconha sem ser incomodado. A Holanda descriminalizou a posse de maconha em 1976 — maiores de idade podem comprar, enrolar e fumar seu baseado dentro de 166 estabelecimentos devidamente licenciados no país. Na capital, porém, a farra corre risco de sofrer um baque: a prefeita Femke Halsema encaminhou um projeto de lei que proíbe o acesso de turistas aos cafés, limitando sua frequência aos moradores. Segundo ela, o mercado cresceu de forma descontrolada e o alto consumo está financiando a ação do tráfico na cidade. “Amsterdã seguirá sendo hospitaleira e tolerante, mas temos de reprimir a ação prejudicial do crime organizado”, afirma.

Nos 45 anos em que se fuma maconha legalmente em Amsterdã e outras cidades holandesas, as autoridades nunca tomaram providência para pôr fim a um paradoxo legal. A legislação permite a posse individual de até 5 gramas de maconha e sua venda em locais autorizados, mas proíbe o plantio, o que coloca o fornecimento nas mãos do tráfico internacional. Em consequência, gangues se instalaram no país e aproveitam sua política tolerante em relação à cannabis e sua condição de centro do comércio mundial para comercializar drogas pesadas e fabricar as sintéticas — calcula-se que esse mercado movimente mais de 20 bilhões de dólares por ano. Sem falar nos crimes e assassinatos, que não param de crescer e assustam a população. Pelos cálculos da prefeitura, um terço dos turistas visita Amsterdã exclusivamente para fumar maconha, um tipo de excursão que já está sendo reprimido em outras cidades holandesas. A capital está fechada ao turismo e a intenção da prefeita Haselma é já ter vetado os coffee shops a gente de fora quando a situação se normalizar. “Vamos receber quem estiver interessado em nossas atrações, não os que vêm apenas para beber e se drogar”, dispara ela — que é progressista e ecologista. Outra opção seria liberar o plantio de cannabis, medida que está em teste em dez cidades. Se der certo e a legislação mudar, pode ser a salvação — literal — da lavoura.

Publicado em VEJA de 24 de março de 2021, edição nº 2730

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)