Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Pink quer pagar “multa sexista” de jogadoras que se negaram a usar biquíni

Seleção de handebol de praia da Noruega foi punida por não usar traje de banho em competição europeia; na Olimpíada, ginastas alemãs também fizeram protesto

Por Amanda Capuano 27 jul 2021, 10h53

A cantora Pink se ofereceu para pagar a multa imposta às jogadoras da seleção norueguesa de handebol de praia por se recusarem a jogar de biquíni. “Estou muito orgulhosa da seleção feminina norueguesa de handebol de praia por protestar contra as regras sexistas sobre seu ‘uniforme’. A Federação Europeia de Handebol deveria ser multada por sexismo”, escreveu no Twitter antes de dizer que ficaria feliz em arcar com a multa.

De acordo com o regulamento, as mulheres devem usar a parte de baixo do biquíni e sutiã esportivo em jogos oficiais, enquanto os homens usam short e regata. Incomodadas com a obrigatoriedade do traje, as meninas norueguesas decidiram usar short no lugar do biquíni, e foram multadas pela Federação Europeia de Handebol em 1 500 euros pelo uso de “roupas inadequadas” no Campeonato Europeu de Handebol de Praia.

Noruega
Seleções Masculina e Feminina de Handebol de Praia da Noruega, com diferença nos padrões de uniforme Reprodução/Reprodução

Posteriormente, a Federação Norueguesa de Handebol disse que estava preparada para cobrir as multas, e apoiou a decisão das atletas em uma postagem na página do Instagram da equipe. “Estamos muito orgulhosos dessas meninas que durante o Campeonato Europeu levantaram a voz e anunciaram que já basta!”, diz a publicação.

Na Olimpíada, o tema veio à tona por meio da seleção feminina de ginástica artística alemã, que optou por usar trajes de corpo inteiro para a competição, em vez dos tradicionais colants que deixam as pernas à mostra. As meninas justificaram que a mudança foi feita para promover a liberdade de escolha e encorajar atletas a adotarem trajes que as deixem confortáveis.

Continua após a publicidade
Publicidade