Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Pedro Bial estreia hoje programa ‘Na Moral’, na Globo

Por Da Redação
5 jul 2012, 11h00

Por AE

São Paulo – Manter acesa a criatividade mesmo em ritmo de produção industrial resume o desafio diário de Luiz Gleiser na Globo. Mas agora, ele envolve cativar o espectador com uma nova faceta de Pedro Bial, que pouco terá a ver com a imagem erguida ao longo dos anos à frente do “Big Brother Brasil”. A expectativa do programa autoral se torna ainda maior com o fraco desempenho registrado por Fátima Bernardes, outra prata da casa a assumir projeto próprio, na primeira semana matutina. Há mais quatro décadas na TV, cerca de três delas na Globo, o diretor quer mostrar que sua fábrica de ideias está a todo vapor, nesta quinta, às 23h30, na estreia do “Na Moral”.

Em um tempo em que é difícil inovar na televisão, o jornalista de 62 anos reconhece que a busca por atrações diferentes é árdua, mas viável. “Só oito notas musicais foram criadas, mas a cada dia surge uma música nota”, brinca. Envolvido com a atração desde o ano passado, o diretor de núcleo teve a função de ajustar o projeto. A preocupação com Ibope, ele adianta, não é exagerada, já que o horário é menos disputado do que as novelas ou as manhãs. Com plateia e convidados que debaterão um tema diferente a cada edição, o “Na Moral” não tem traços comuns a nenhum outro produto da emissora – exceto justamente o “Encontro com Fátima Bernardes”. “Não é um ‘late show’ (formato de programa de entrevista que vai ao ar à noite, comum nos EUA). Queremos as faces da plateia, que será uma caixa de ressonância.”

O “Na Moral” será gravado cinco dias antes de ir ao ar, o que, segundo Gleiser, não impedirá discussões acaloradas. “Nada é frio com o Bial. Ele é quente para caramba. O fato de ser semanal e à noite dá outro tipo de embocadura, vamos pegar temas mais profundos. Há sexo e política em tudo”, diz o diretor. Temas do dia a dia e assuntos atemporais conviverão. “Vamos trazer o que há de contraditório em temas relevantes. O brasileiro finge que odeia polêmica, mas está sempre metido nela.”

Continua após a publicidade

Junto à plateia anônima, estarão convidados famosos. “Vamos alternar gente mais ou menos conhecida. O DJ será um conhecido que vai influir na discussão”, explica Gleiser. O tema do primeiro programa será “o politicamente correto” e o DJ, o cantor Alexandre Pires – a questão do polêmico videoclipe com Neymar e as fantasias de macaco deve ser revista.

Um dos responsáveis pelos primeiros canais da Globosat, como Multishow e GNT, Gleiser foi um dos criadores do “Som Brasil”, tradicional na programação da madrugada e alheio à preocupação com audiência. O grande trunfo, diz ele, é dar espaço a artistas iniciantes. “Hoje, 95% dos artistas que estão conhecidos, passaram por lá. É um programa experimental, não é competitivo. Somos prisioneiros do sucesso da grade. Mas tenho recursos de horário nobre. Gravo em alta definição”, diz. As informações são do Jornal da Tarde.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.