Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Oscar: campanha milionária de ‘Roma’ dá à Netflix indicação inédita

Investimento colocou o filme autobiográfico de Alfonso Cuarón, feito para o streaming, nas premiações mais importantes da indústria cinematográfica

Por Redação
Atualizado em 1 fev 2019, 14h24 - Publicado em 22 jan 2019, 14h39

Roma, apenas o quinto longa na história do cinema a ser indicado tanto ao prêmio de melhor filme quanto ao de melhor filme estrangeiro do Oscaré um fenômeno menos misterioso do que parece. Filmado em preto e branco, falado em espanhol e quechua, com pouco mais de duas horas de duração, é a primeira produção da Netflix a disputar a principal categoria do prêmio. O longa, aliás, lidera a disputa com A Favorita, ao concorrer a dez estatuetas no total.

Questões afetivas e humanitárias são bem-vindas em prêmios de cinema, mas Roma tem arrebatado indicações e troféus – são mais de 50 pelo mundo até agora – por razão mais imperiosa. A Netflix investiu alto na campanha promocional do filme, mais até do que na produção do longa, de acordo com a imprensa americana. Fala-se em pelo menos 20 milhões de dólares destinados pela empresa apenas para colocar Roma nos principais páreos da indústria cinematográfica, devidamente esbanjados em festas de divulgação e material promocional enviado aos votantes da Academia de Hollywood. 

Roma é uma produção para streaming. De contornos afetivos, conta a história da babá real do diretor mexicano Alfonso Cuarón, que fez questão de imprimir o olhar da infância, ingênua, portanto, sobre a desigualdade social entre a população de origem indígena e os mexicanos brancos nos anos 1970 na Cidade do México.

É um tapa de luva de pelica da Netflix na indústria cinematográfica, que resiste ao modelo de produção do canal de transmissão; no ano passado, o Festival de Cannes declarou não reconhecer como cinema títulos que não sejam exibidos em tela grande. Mas a campanha de Roma, além de milionária, é estratégica: o filme também chegou a ser levado para algumas salas de cinema, sem muito alarde. No Brasil, em algumas sessões fora do eixo cultural, em capitais como Teresina e Fortaleza.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.