Clique e assine a partir de 9,90/mês

Oscar 2020: Frozen 2, Lupita Nyong’o e outros esnobados

Além da animação e da atriz, Jennifer Lopez e Taron Egerton também estão entre os ignorados pela premiação

Por Redação - 13 jan 2020, 14h03

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood liberou na manhã desta sexta-feira, 13, os indicados ao Oscar 2020 – e não agradou a todos os cinéfilos. Entre os excluídos da festa, Lupita Nyong’o foi a mais lembrada nas redes sociais, mas a protagonista de Nós não foi a única esquecida pela Academia.

Aclamada por seu trabalho no terror de Jordan Peele, Lupita foi coroada com o prêmio de melhor atriz pela Associação de Críticos de Hollywood, mas foi completamente ignorada pelo Oscar. No Twitter, usuários levaram o nome da atriz à lista de assuntos mais comentados da rede e acusaram a premiação de racismo. Entre os vinte indicados nas categorias de atuação, apenas Cynthia Erivo é negra.

Quem também ficou de fora foi Awkwafina, vencedora do prêmio de atriz em comédia no Globo de Ouro por seu papel em A Despedida – a primeira mulher de ascendência asiática a levar para casa a cobiçada estatueta. A lista de aclamados pelo Globo de Ouro que foram ignorados pela Academia inclui ainda Jennifer Lopez, por As Golpistas, e Taron Egerton, por Rocketman.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Mas as categorias de atuação não foram as únicas e surpreender pelas ausências. Frozen 2 emplacou Into The Unknown entre os indicados a melhor canção original, mas o filme de animação de maior bilheteria da história não passou pelo crivo dos votantes e ficou de fora de melhor animação. (I’m Gonna) Love Me Again, música de Elton John para Rocketman, também conquistou um lugar entre as melhores canções, mas o longa, que retrata a vida do cultuado cantor inglês, não recebeu sequer uma indicação. Já Beyoncé foi esnobada duplamente: Spirit, carro-chefe da trilha de Rei Leão, ficou de fora de canção original, e Homecoming também não emplacou entre os documentários.

Já entre os diretores, Greta Gerwig, nome por trás de Adoráveis Mulheres, foi a ausência mais sentida. No total, o longa concorre a seis estatuetas, incluindo melhor filme, prêmio mais importante da cerimonia, e roteiro adaptado. Apesar disso, Greta não foi indicada a melhor direção, o que levantou discussões sobre a falta de representatividade da premiação, já que todos os indicados à categoria são homens.

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade
Publicidade