Clique e assine a partir de 9,90/mês

Os melhores bares com música ao vivo em Brasília

Confira os endereços da categoria que valem a visita; mais boas opções para ir acompanhado, dançar e cantar

Por Gabriela de Almeida, Guilherme Lobão, Larissa Lima, Mirela Mazzola, Mateus Vidigal e Sara Campos - Atualizado em 31 ago 2017, 21h10 - Publicado em 19 ago 2017, 02h00

O roteiro a seguir, com treze estabelecimentos, integra a edição digital de VEJA COMER & BEBER BRASÍLIA 2017/2018:

 

Outro Calaf – eleito pelo júri o melhor bar com música ao vivo

A música chegou devagar e aos poucos transformou o Calaf, em outros tempos um restaurante de comida espanhola, em uma das principais referências da cidade para apresentações ao vivo. O proprietário, Venceslau Calaf, gaúcho de ascendência catalã, servia almoço no primeiro ponto, a poucos metros do atual, no Setor Bancário Sul. Aos sábados, dia de feijoada, amigos e clientes sentiam falta de um sambinha ao vivo para coroar a tradição. Começou assim, despretensiosamente, a agenda musical que hoje ocupa quase todas as noites da semana. Nomes de projeção nacional, como Karina Buhr e Dona Onete, já subiram ao palco, com porte e estrutura adequados a shows maiores desde a mudança para o novo endereço, em 2014. A casa também aposta em atrações residentes, algumas com dez anos na programação — como o Adora-Roda, grupo de samba que se apresenta às terças. Às quartas, o coletivo de DJs Moranga, comanda há três anos a trilha sonora de rock alternativo. Na quinta, predomina o funk, também mecânico. No sábado há samba ao vivo e no domingo alternam-se forró e axé. Quem não se arrisca na pista, com tablado para dançar gafieira, curte o som na companhia de cervejas Heineken e Original (R$ 13,00 a garrafa). O cardápio de comes lista quibes e coxinhas, vendidos por unidade (R$ 8,00 cada um), e paellas (R$ 80,00, para dois), sinal de que a herança catalã ainda dá samba.

SBS 2, bloco Q, lojas 5 e 6 (Edifício João Saad), (61) 3322-9581 (900 lugares). Entrada: R$ 18,00 a R$ 30,00. 12h/15h e 22h/3h (ter. jantar a partir das 20h; sáb. 12h/23h; dom. 16h/1h, fecha seg. no jantar). Aberto em 1990.

2º Lugar – Pinella

Um dos endereços mais badalados da noite da 408 Norte, o Pinella de hoje em nada se parece com o bistrô inaugurado há cinco anos. Em pouco tempo, as sócias Flávia Attuch e Marta Liuzzi perceberam a vocação boêmia da casa e a transformaram em um bar. O ambiente atual se divide entre a área externa, tomada por mesas, e um salão apertadinho, onde ficam o balcão de drinques e as geladeiras de cerveja. Em noites de maior movimento, muitos preferem pegar a bebida direto no balcão e ficar em pé. Para azarar, é consenso que na sexta há mais chances de sucesso — nessa noite, das 19 às 23 horas, um DJ comanda a trilha sonora movida a brasilidades, de forró a rock nacional. Também com som mecânico, a casa investe em rock na segunda, clássicos do vinil na quinta e flashback no sábado. O couvert artístico, que custa R$ 8,00, sobe para R$ 12,00 às terças e quartas, quando se apresentam um trio de jazz e atrações de MPB. Entre uma troca de olhares e outra, o público na faixa dos 30 e poucos anos pede cerveja Heineken (R$ 12,00) ou ainda um dos rótulos especiais da carta, a exemplo da APA brasiliense Bispo Beer (R$ 30,00, 500 mililitros). Na lista de drinques preparados pelo bartender Marcelo Apolinário, há sempre um com preço promocional, como o daiquiri de cranberry (R$ 18,00). Também são boas pedidas o bloody mary (R$ 20,00) e o refrescante gingito, mistura de gim, água tônica, gengibre, suco de limão, xarope de açúcar e folhas de hortelã (R$ 22,00). Na hora da fome, dá para pedir porções e sanduíches, caso do amélia, com frango defumado, cebola caramelada, mostarda e alface-americana na baguete (R$ 28,00).

CLN 408, bloco B, lojas 18 e 20, (61) 3347-8334 (120 lugares). 17h/1h (qui. a sáb. até 2h; fecha dom.). Aberto em 2012.

 

3º Lugar – Clube do Choro

Projetada por Oscar Niemeyer e inaugurada há quatro décadas, a casa é o templo do chorinho na cidade, com shows com ingressos a R$ 40,00. Enquanto os artistas se apresentam, a clientela se refresca com caipirosca de limão (R$ 14,90) e garrafas long neck de cervejas Original (R$ 9,50) e Stella Artois (R$ 9,90). Aos sábados, o ritmo muda. É dia de feijoada (R$ 39,90) com samba, e o couvert artístico custa R$ 7,50.

SDC, lote 3, Eixo Monumental. (61) 3224-0599 (400 lugares) 20h/0h (sáb. também almoço 12h/17h; fecha dom. e seg). Aberto em 1977.

 

Casa do Quibe

Vira um point principalmente nas noites de quinta a domingo, quando há música ao vivo. Ao som de hits do sertanejo, do pop rock e da MPB, os clientes bebem, basicamente, cervejas. A Heineken e a Original de 600 mililitros saem a R$ 12,90. O petisco que dá nome à casa aparece nas versões individual (R$ 12,90, com recheio de queijo, catupiry ou só carne), cru (R$ 31,35, com pão sírio) e em porção com dez unidades recheadas de queijo e pimenta-biquinho (R$ 33,50).

Quadra 3, conjunto 2, lojas 2 e 3, Sobradinho, (61) 3591-9555 (200 lugares). 11h/0h (sáb. e dom. até 2h). Aberto em 1988.

 

Santa Fé

Às terças, artistas de jazz sobem ao palco. Às quintas e sextas, o pop rock toma conta da casa. Aos sábados tem samba a partir das 16h, após a feijoada e sobremesa à vontade (R$ 39,90). Para refrescar, o chope Brahma (R$ 9,90), em caneca congelada, é a pedida certa.

Condomínio San Diego, quadra 2, rua 1, lote 32, Jardim Botânico, (61) 3427-2312 (260 lugares). 12h/1h. Aberto em 2012.

 

Trow Parrilla e Beer

A chef Fabiana Pinheiro, do extinto Versão Tupiniquim, faz desde a consultoria arquitetônica até a curadoria dos eventos do lugar. O ambiente é decorado com sofás coloridos e quadros retrô. Da parrilla saem cortes de gado hereford, como a alcatra no espeto (R$ 10,00). Outra pedida, o prime rib na brasa custa R$ 110,00, com 600 gramas. Para beber, há chope de trigo da casa (R$ 15,00) e cerveja artesanal, como a Ipa 61 da Micro X (R$ 35,00, 300 mililitros).

CA 7, conjunto Q, lote 50, Lago Norte, (61) 3542-3772 (300 lugares). 12h/0h (sex. e sáb. até 1h; dom. só almoço até 16h). Aberto em 2016.

 

Empório Santo Antônio

Terça-feira é dia de stand-up comedy. Nas outras noites, sempre a partir das 21h, a música é responsável por animar o ambiente. Sertanejo, pop rock, samba e principalmente axé são os ritmos que embalam a clientela. A caneca congelada de chope Brahma (R$ 10,90; 350 mililitros) e a jarra doce pecado (R$ 42,90; 600 mililitros), que leva espumante, uva, morango, amora e xarope de cramberry, refrescam as noites quentes. Para matar a fome, há bufê com cerca de sessenta itens (R$ 6,10 a cada 100 gramas) e também serviço à la carte, com pratos como a surpresa brasileira (R$ 40,80), que reúne tablete de rabada empanado e geleia de pimenta.

Continua após a publicidade

Shopping Pier 21, loja R6, Lago Sul, (61) 3223-0033 (350 lugares). 11h/1h (seg. até 0h). Aberto em 2002.

 

PARA IR A DOIS

IVV Swine Bar

Nascida como um clube de vinhos, a casa tocada pela empresária Ariela Lana e pelo sommelier Eduardo Nobre logo assumiu sua vocação de bar. Entre outras sugestões, há drinques como a caipirinha preparada com vinho branco (R$ 20,00 a taça). Do enxuto menu de petiscos, são muito pedidos as tâmaras recheadas com queijo gorgonzola envoltas em bacon (R$ 18,00 a porção com cinco unidades) e o minicroque madame, feito com lombo, mussarela e ovo de codorna (R$ 19,00, com quatro unidades).

314 Norte, bloco B, loja 21, (61) 3034-3471 (100 lugares). 18h/23h (qui. a sáb. até 0h; fecha dom., seg. e ter.). Aberto em 2016.

 

Jamón Jamón

Depois de viver quinze anos em Barcelona, a chef catarinense Simone Garcia decidiu trazer de lá para Brasília as receitas e o descontraído clima de boemia. Em seu bar, o cliente pode provar pintxos feitos com fatia de baguete de fermentação natural e jamón serrano (R$ 14,00). Às sextas e sábados, a casa abre para almoço e serve a paella marinera (R$ 110,00). Do refrescante menu de bebidas, destaca-se a sangria costa brava (R$ 69,00 a jarra de 1 litro), preparada com maçã, limão-siciliano, uva, laranja, ameixa, suco de laranja, soda, Triple Sec, vermute e vinho tinto.

109 Norte, bloco D, loja 51, (61) 3032-2595 (50 lugares). 18h/0h (sáb. 12h30/15h30 e 19h/0h; fecha dom. e seg.). Aberto em 2015.

 

Nola GastroBar

O bar propõe uma viagem musical e gastronômica à cidade americana de Nova Orleans. Os casais são embalados por blues, jazz e música instrumental. Para petiscar, a pedida é o rib dumplings (R$ 35,00), uma porção com massa parecida com guioza recheada com costela suína. Entre os drinques, faz sucesso o hurricane (R$ 25,00), que mistura rum Bacardi branco e escuro, suco de laranja, suco de abacaxi e xarope de grenadine.

408 Norte, bloco A, loja 28,  (61) 99142-8962 (90 lugares). 18h/02h (fecha dom. e seg.). Aberto em 2016.

 

PARA DANÇAR

Caribeño Casa Latina

Às sextas, hits da música latina animam a pista, enquanto os clientes circulam com o clássico mojito (R$ 18,00) nas mãos. Nos demais dias, os ritmos são variados e alternam-se entre zouk, forró e milongas argentinas. Para uma refeição leve, a sugestão é o ceviche (R$ 39,00), cubos de peixe branco marinados em limão e sal, batata doce, milho, coentro, cebola roxa e pimenta.

413 Sul, bloco A, loja 1, (61) 3551-1051 (250 lugares). 11h45/2h (ter. a qui. almoço até 15h; dom. até 16h; fecha seg. ). Aberto em 1999.

 

Pub 305

A programação musical vai do forró (às terças) ao rock (às quintas), passando pelo sertanejo (às sextas). Quartas e sábados, dias em que a casa fica mais cheia, hits dos mais variados estilos animam a clientela, que aproveita para jogar sinuca entre uma música e outra. Entre os petiscos, a porção frango a passarinho com alho torrado (R$ 33,00, com 400 gramas da ave) casa bem com o chope Brahma (R$ 9,90, 500 mililitros).

305 Norte, bloco E, subsolo, (61) 3036-6863 (450 lugares). 18h/3h (fecha dom. e seg.) Aberto em 2008.

 

VIDEOKÊ

Yes Club

Quem quer soltar a voz neste karaokê encontra um repertório de 10 mil músicas à disposição. Guitarras e cadeiras no estilo do programa televisivo The Voice compõem a decoração e dão um clima irreverente ao local. O frango à passarinho (R$ 13,90, 500 gramas) mata a fome dos cantores anônimos. Para molhar a garganta, eles preferem cerveja Skol beats Sense azul (R$ 11,90, 330 mililitros) ou capirosca de Smirnoff (R$ 9,90).

706/707 Norte, bloco D, loja 12, (61) 3274-7770. 20h/3h (sex., sáb. e véspera de feriado até 5h; dom. fechado). Aberto em 2013.

Continua após a publicidade
Publicidade