Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Os 100 anos da ‘morte’ de um ruidoso movimento de vanguarda

Movimento modernista conhecido como dadaísmo se difundiu pela Europa a partir de 1916, e teve vida curta - mas enorme influência na arte

Por Gabriela Caputo Atualizado em 23 Maio 2022, 23h29 - Publicado em 23 Maio 2022, 12h18

O poeta romeno Tristan Tzara (1896-1963) dizia que, assim como tudo na vida, o dadaísmo era inútil. O movimento artístico de vanguarda, do qual Tzara foi um dos fundadores, floresceu na Europa em 1916, durante a I Guerra Mundial. Mais precisamente, o dadaísmo nasceu do encontro de artistas na casa noturna conhecida como Cabaret Voltaire, em Zurique, na Suíça. Com a mesma determinação com que foi iniciado, o movimento vanguardista teve sua morte proclamada poucos anos depois, em 22 de maio de 1922 — a data completou 100 anos neste domingo, 22. Em um festival que acontecia na escola de arte Bauhaus, em Weimar, na Alemanha, artistas e escritores dadaístas encenaram um funeral que decretou o fim da tendência. 

Também conhecido como “dadá”, o movimento integrou as chamadas vanguardas europeias, desenvolvidas no continente no início do século 20. Futurismo, cubismo, surrealismo, expressionismo: todos eles buscavam romper com as tradições e encontrar novos significados para a arte. No contexto histórico, a Europa experimentava as consequências da Segunda Revolução Industrial, com a popularização de grandes invenções, o aumento do consumo e o crescimento das cidades – logo, a transformação do ritmo de vida. A arte, como sempre fez desde os primórdios da humanidade, precisava se reinventar para entender esse novo mundo que se delineava.

Apesar dos avanços, o ambiente de efervescência tecnológica também tinha nuances negativas: o desenrolar da I Guerra e suas sequelas massivas não escaparam ao olhar dos artistas. Dentre as vanguardas, o dadaísmo era o mais crítico. A catástrofe experimentada no continente era, para os membros do movimento, resultado da própria civilização. Seu propósito, por extensão, era rejeitá-la e criar uma “antiarte”. A negação dos valores, da tradição e da lógica eram as características principais do dadaísmo. Ao lado de Tzara, foram nomes proeminentes dessa turma o escritor alemão Hugo Ball (1886-1927) e o escultor franco-alemão Jean Arp (1886-1966). 

Um visitante observa a mais famosa obra do artista francês, Marcel Duchamp, intitulada 'A Fonte', na Galeria Nacional de Arte Moderna, em Edimburgo, na Escócia
Um visitante observa a mais famosa obra do artista francês, Marcel Duchamp, intitulada ‘A Fonte’, na Galeria Nacional de Arte Moderna, em Edimburgo, na Escócia Jeff Mitchell/Getty Images

A orientação irônica, provocadora, e até mesmo absurda do dadaísmo gerou obras orientadas pelo caos e por elementos de pouco valor. Grande exemplo é a famosa Fonte (1917), do francês Marcel Duchamp (1887-1968), que consiste em um mictório – hoje um ícone que marca a passagem do modernismo para a arte contmporânea.

O dadaísmo influenciou e deu lugar a uma outra vanguarda que se seguiu e bebeu de suas ideias, o chamado surrealismo. Meses antes do fatídico funeral, o escritor francês André Breton (1896-1966), um dos pais do movimento surrealista e antes associado ao dadaísmo, entrou em conflito com o então amigo Tzara. Ele declarou guerra ao dadá e, com uma declaração pública intitulada “Depois do dadaísmo”, deu os primeiros passos na criação dessa nova tendência, que tomaria forma em 1924 com o Manifesto Surrealista.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)