Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Obra de Bacon se torna a mais cara já leiloada: US$ 142 mi

O tríptico 'Três Estudos sobre Lucian Freud' bateu recorde de 'O Grito', de Edvard Munch, vendido em maio do ano passado por US$ 119 milhões

Por Da Redação 13 nov 2013, 00h29

Um tríptico do pintor britânico Francis Bacon (1909-1992) se tornou nesta terça-feira a obra de arte mais cara já vendida no planeta. A obra Três Estudos sobre Lucian Freud, de 1969, foi leiloada na Christie’s, em Nova York, pelo preço recorde de 142,4 milhões de dólares após seis minutos de intensa disputa, com lances ao vivo e por telefone.

Após a batida do martelo, a plateia que acompanhava o leilão explodiu em aplausos diante do recorde, que superou os 119,9 milhões de dólares pagos por O Grito, de Edvard Munch (1863-1944), leiloado pela casa Sotheby’s, também em Nova York, em maio de 2012. “Trata-se de um momento histórico”, afirmou o leiloeiro Jussi Pylkkanen quando os lances atingiram 126 milhões de dólares, após o preço inicial de 80 milhões.

Pintado quase 25 anos após Bacon e Freud se conhecerem, Três Estudos sobre Lucian Freud superou amplamente o recorde precedente para uma obra do artista britânico, de 86 milhões de dólares, em 2008. Antes da venda, a Christie’s descreveu a obra como “um ícone da arte do século 20” e “uma oportunidade única na vida” de adquiri-la.

A distorção das formas, a convulsão expressiva no rosto e o esquematismo de tudo aquilo que não é figura humana caracterizam os três quadros consecutivos de Bacon dedicados ao amigo Lucian Freud, que possuem 198 por 147,5 centímetros de dimensão e que pertenciam às galerias Galatea de Turim e Odermatt de Paris e a coleções privadas de italianos, franceses e japoneses.

No leilão desta noite também foram arrematadas as obras Balloon Dog (Orange) de Jeff Koons, por 52 milhões de dólares, e um quadro de Mark Rothko por 41 milhões dólares. Com isso, espera-se que casa supere o recorde atingido em maio quando conseguiu, em uma única sessão, 495 milhões de dólares em vendas

(Com agências EFE e France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade