Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

O retorno triunfal de Eddie Murphy em ‘Meu Nome É Dolemite’, na Netflix

Longe dos holofotes, o ator volta às telas em filme sobre o irreverente ídolo da comédia americana que o inspirou

Por Raquel Carneiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 15h19 - Publicado em 25 out 2019, 07h00

O comediante Rudolph Frank Moore (1927-2008) apostou todas as cartas na ideia fixa de cravar um espaço no show business. Foi dançarino, cantor e mestre de cerimônias. Aos 40 e poucos anos, nenhum de seus talentos parecia ter potencial de emplacar. A virada veio da rua: ao ouvir um mendigo que contava anedotas de escravos, Moore deu forma ao personagem Dolemite. Com roupas extravagantes e uma peruca fora de moda, o ator subia ao palco com seu histriônico alter ego para narrar, de forma ritmada, as aventuras do mulherengo de autoestima superelevada, humor sexualmente explícito — e atenção demasiada à potência erótica de seu dito-cujo. A saga do artista é contada no voluptuoso filme Meu Nome É Dolemite, que chega na sexta-­feira 25 à Netflix.

Moore é interpretado por um inspirado Eddie Murphy, herdeiro direto do veterano e escolha perfeita para o papel. A trajetória de um se reflete na do outro. Assim como o ídolo, Murphy brilhou nos palcos da stand-up com um ácido humor racial. A habilidade de vestir diferentes personas, porém, foi elevada por ele a um outro patamar: talento que fez de Murphy o primeiro protagonista negro de destaque do humorístico Saturday Night Live, e lhe rendeu o título de astro do cinema com filmes clássicos como Um Príncipe em Nova York (1988) e O Professor Aloprado (1996).

Há uma década, porém, o ator se resignou a papéis pífios e à dublagem da voz do burro de Shrek. Meu Nome É Dolemite marca o retorno de Murphy ao lugar de que ele gosta: o centro dos holofotes. O longa frisa o desejo constante de Moore pela reinvenção. A baixaria proferida por ele atravessa os bares de Los Angeles e viaja o país em discos de vinil. Em seguida, une um hilário grupo de principiantes para fazer um filme, movimento que deu vazão nos anos 70 ao blaxploitation — longas feitos por negros e para negros: onda que Murphy surfaria na década seguinte. Se continuar nos passos de seu insolente mestre, Murphy fará da maturidade o melhor lugar para aperfeiçoar o que já era bom.

 

Publicado em VEJA de 30 de outubro de 2019, edição nº 2658

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.