Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

O que esperar da grandiosa exposição do mestre Marc Chagall no Brasil

Pintor saiu de uma aldeia na Rússia para maravilhar o mundo com sua pintura cheia de lirismo — uma trajetória com lições de esperança para os dias de hoje

Por Marcelo Marthe Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 11 mar 2022, 10h33 - Publicado em 11 mar 2022, 06h00
  • Seguir materia Seguindo materia
  • PURA POESIA - O Galo Violeta (1966-1972): memórias de infância vertidas em sonhos irresistíveis -
    PURA POESIA - O Galo Violeta (1966-1972): memórias de infância vertidas em sonhos irresistíveis – (Chagall, Marc/AUTVIS, Brasil, 2022/.)

    No fim do século XIX, os territórios que hoje compõem países como Ucrânia, Belarus e Moldávia eram parte do império dos czares — e a mão sempre pesada e autoritária da “Mãe Rússia” mantinha a vasta população judia local sob vara curta. Essas pessoas não podiam entrar nas grandes cidades sem autorização; volta e meia, eram vítimas de massacres odiosos, os pogroms. O passado opressivo remete, inevitavelmente, ao tormento infligido pelos russos aos vizinhos ucranianos na guerra de 2022. Mas, ainda assim, um menino judeu revelava-se capaz de sonhar. Nascido na pequena Vitebsk, na atual Belarus, Marc Chagall (1887-1985) voava longe na imaginação: dentro de sua mente, o casario e as festas religiosas da infância se diluíam em visões fantásticas de galos, vacas e asnos flutuando em uma atmosfera de cores vívidas. Nas imagens líricas que mais tarde traduziriam seus vislumbres de criança em obras célebres, o pintor e a amada Bella surgiam entregues à paixão — como se desafiassem, assim, as durezas da vida. É essa história de esperança e superação que conduz a belíssima mostra Marc Chagall: Sonho de Amor, que entra em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio de Janeiro, a partir da quarta-feira 16.

    Publicidade
    COISA NOSSA - Primavera (1938-39), do MAC-SP: tesouro de acervo nacional -
    COISA NOSSA - Primavera (1938-39), do MAC-SP: tesouro de acervo nacional – (Chagall, Marc/AUTVIS, Brasil, 2022/.)
    SUPERAÇÃO - O artista na velhice: ele sobreviveu a guerras, à perseguição e ao comunismo -
    SUPERAÇÃO – O artista na velhice: ele sobreviveu a guerras, à perseguição e ao comunismo – (Jean Pierre Loth/INA/Getty Images)

    Como Me Tornei Marc Chagall

    Publicidade

    A maior retrospectiva já feita da obra de Chagall no país vai passar também por Brasília, Belo Horizonte e São Paulo até o início de 2023 — e é um pacote embalado para consumo popular. Com orçamento de 9 milhões de reais apenas em recursos de incentivo, a exposição chega com selo de aprovação no exterior: antes da pandemia, fez sucesso em cidades europeias como Nápoles. Mas a versão brasileira ganha um acréscimo valoroso. Além das 179 telas, gravuras e desenhos de acervos privados estrangeiros, serão exibidas sete pinturas pertencentes a instituições nacionais. O número parece ínfimo, mas sua relevância é enorme: obras como Primavera, do Museu de Arte Contemporânea de São Paulo, atestam a qualidade dos trabalhos do artista russo espalhados por nossas coleções.

    FORÇA ANCESTRAL - Aldeia Russa (1929): conexão com raízes e fé judaica mesmo no exílio -
    FORÇA ANCESTRAL – Aldeia Russa (1929): conexão com raízes e fé judaica mesmo no exílio – (Chagall, Marc/AUTVIS, Brasil, 2022/.)

    Chagall

    Publicidade

    Se o nome Chagall atrai filas pelo mundo, é por uma razão singela: a simplicidade intuitiva de seus quadros provoca identificação imediata — e irresistível — no público. “Ele é o mestre supremo da cor na pintura moderna. Compreender sua obra não depende de conhecimento prévio sobre arte: ela é acessível a pessoas de qualquer idade e condição”, diz a espanhola Lola Durán Úcar, curadora da exposição. A temática realçada no evento — a relação de Chagall com o amor — é um chamariz que obviamente redobra a aura pop do artista. Mas não configura uma estratégia de divulgação apelativa: Chagall realmente propalava que esse sentimento era impulso fundamental de sua criação. “Há só uma cor que dá sentido à vida e à arte: é a cor do amor”, dizia. Como esclarece a curadora, o conceito ia muito além do puro romantismo: “O amor, para Chagall, deve ser compreendido de forma ampla: é o amor a Deus, à natureza, às pessoas.” E, claro, às mulheres.

    SENSUALIDADE - Os Amantes com Asno Azul (1955): o amor eternizado sob atmosfera onírica -
    SENSUALIDADE - Os Amantes com Asno Azul (1955): o amor eternizado sob atmosfera onírica – (Chagall, Marc/AUTVIS, Brasil, 2022/.)

    Somente com muita paixão pela vida, de fato, alguém conseguiria vencer os obstáculos que ele enfrentou. Chagall veio de uma família humilde para a qual o desejo do filho de ser artista (antes de pintar, ele pensou em ser violinista) era visto com desconfiança. Sobreviveu a duas guerras mundiais, à perseguição aos judeus e à Revolução Russa de 1917. A princípio, trabalhou como professor no regime bolchevique, mas logo abandonou o barco (e a Rússia) porque seu otimismo sem amarras se chocava com os dogmas do construtivismo, estilo oficial soviético. Chagall sempre foi mais que isso: sua obra era “sobrenatural”, definiu o poeta e amigo Apollinaire.

    Publicidade
    NATUREZA VIVA - A tela Buquê de Flores sobre Fundo Vermelho (1970): os tons fortes de um mestre da cor -
    NATUREZA VIVA - A tela Buquê de Flores sobre Fundo Vermelho (1970): os tons fortes de um mestre da cor – (Chagall, Marc/AUTVIS, Brasil, 2022/.)

    A Segunda Guerra Mundial: Os 2.174 dias que mudaram o mundo

    Continua após a publicidade

    Para atravessar tantas provações, Chagall agarrava-se a seu porto seguro: as reminiscências da aldeia aprazível que fora seu mundinho na infância, com seus bichos, tipos humanos adoráveis e rituais religiosos. Parte da mostra, aliás, é devotada às gravuras que ele fez sobre a Bíblia. Homem de fé e orgulhoso das raízes judaicas, Chagall encontrou em Bella, sua paixão juvenil e primeira esposa, um modo de manter a sintonia com o interior da Rússia mesmo após mudar-se para Paris ou exilar-se nos Estados Unidos, nos tempos de Hitler.

    Publicidade
    IMAGINAÇÃO - Duas Cabeças (1966): parte de acervo internacional exibido no país pela primeira vez -
    IMAGINAÇÃO - Duas Cabeças (1966): parte de acervo internacional exibido no país pela primeira vez – (Chagall, Marc/AUTVIS, Brasil, 2022/.)

    O relacionamento com Bella ultrapassava a paixão romântica. A moça de família abastada, para a qual era proibitivo unir-se ao pobretão Chagall, acabou sendo um esteio intelectual em sua carreira. Bella ajudou o marido a construir a imagem de artista mítico conectado às origens mesmo no exterior. Após a morte da esposa por uma enfermidade repentina e fulminante, nos anos 1940, Chagall se casaria mais duas vezes. Até o fim da vida, porém, Bella continuou a povoar suas telas. Que a alegria de viver de Chagall seja uma inspiração para estes dias de guerra e pandemia.

    Continua após a publicidade

    Publicado em VEJA de 16 de março de 2022, edição nº 2780

    Publicidade

    CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

    Como Me Tornei Marc Chagall
    Como Me Tornei Marc Chagall
    Chagall
    Chagall
    A Segunda Guerra Mundial: Os 2.174 dias que mudaram o mundo
    A Segunda Guerra Mundial: Os 2.174 dias que mudaram o mundo

    *A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

    Publicidade

    Publicidade

    Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

    Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

    Domine o fato. Confie na fonte.

    10 grandes marcas em uma única assinatura digital

    MELHOR
    OFERTA

    Digital Completo
    Digital Completo

    Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

    a partir de R$ 2,00/semana*

    ou
    Impressa + Digital
    Impressa + Digital

    Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

    a partir de R$ 39,90/mês

    *Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
    *Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

    PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
    Fechar

    Não vá embora sem ler essa matéria!
    Assista um anúncio e leia grátis
    CLIQUE AQUI.