Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

O papel diferente de Marcos Palmeira: produtor premiado de queijos

Prestes a estrear em remake da novela Pantanal, o ator ganha prêmio com frescal produzido em sua fazenda na Região Serrana do Rio

Por Alessandro Giannini Atualizado em 27 jan 2022, 21h26 - Publicado em 29 jan 2022, 08h00

Você agora se tornou produtor premiado de queijos. O que isso tem a ver com a sua carreira como ator? Comprei a fazenda Vale das Palmeiras, em Teresópolis, na Região Serrana do Rio de Janeiro, no fim dos anos 1990. Logo de cara, eu queria produzir um queijinho caseiro. O meu parceiro na época, o Rildo de Oliveira Gomes, amigo de infância, era mestre-queijeiro. Só que, em 2000, o Rildo foi assassinado e eu perdi esse momento. Mas a morte dele me fez enxergar ainda mais a fazenda. Depois, reencontrei outro parceiro, o Alvino de Oliveira, que passou a produzir os nossos queijos. Por enquanto, temos uma produção de 400 litros de leite por dia, que eu compro de dois produtores locais. Queremos chegar a 1 000, mas de forma sustentada.

É possível dividir o tempo entre o trabalho como ator e produtor e essa outra atividade? Tem sido assim nesses mais de vinte anos. Meu avô, Sinval Palmeira, advogado e deputado cassado pela ditadura, era fazendeiro na Bahia. Quando comprei a fazenda no Rio de Janeiro, não estava pensando em virar produtor. Eu não tinha sequer a consciência da importância dos orgânicos, não tinha consciência ambiental alguma. Isso veio depois, quando resolvemos recomeçar do zero, porque percebi que os trabalhadores não comiam o que cultivavam porque os produtos tinham agrotóxicos. Acho que foi essa conscientização que faltava. Nunca consegui me tornar só um fazendeiro, nem só um ator. As duas coisas andam juntas, inclusive nos meus trabalhos na TV e no cinema.

Os orgânicos vieram para ficar ou são uma onda passageira? Sem dúvida, existe um crescimento muito grande do mercado orgânico. Mas não se medem os ganhos desse consumo para a qualidade de vida. Quando se paga 1 real por um pé de alface, o produtor dela ganhou 5 ou 6 centavos apenas. É barato para quem? Tem um desequilíbrio nisso. Temos pouca política pública para fomentar a produção orgânica. Os grandes produtores têm subsídios e a gente fica nessa luta. A soma dos pequenos todos é que vai dar o volume de que precisamos.

Na nova versão da novela Pantanal, você atua como um consultor ambiental informal. Como funciona isso? Não tenho formação acadêmica nem como ator, nem como ambientalista. Mas tenho muita experiência nas duas áreas. Então, trago essas questões para dentro da história, conversando com os autores e incorporando-as em situações vividas pelos personagens. Onde estou envolvido, me dedico sempre 100%, dividindo o que sei e o que vivi.

Publicado em VEJA de 2 de fevereiro de 2022, edição nº 2774

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês