Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

O espantoso fenômeno da ressurreição dos velhos hits

A volta de Kate Bush às paradas é o caso mais recente de uma tendência que se tornou comum nos últimos anos

Por Felipe Branco Cruz Atualizado em 27 jun 2022, 11h28 - Publicado em 25 jun 2022, 08h00

A adolescente Max Mayfield não teve uma infância fácil. Após o divórcio dos pais, a personagem de Stranger Things, série que é um fenômeno juvenil da Netflix, se mudou com a mãe da ensolarada Califórnia para a provinciana Hawkins, em Indiana. Na cidade, teve a primeira desilusão amorosa. A melhor amiga e confidente se mudou para outro estado. Para piorar, o irmão mais velho morreu tragicamente. Sem dinheiro, ela e a mãe agora moram em um trailer. O único alento da garota é um aparelho de walkman (velharia que então revolucionava o jeito de consumir música), no qual ouve sem parar sua canção favorita: Running Up That Hill.

Kate Bush – Remastered In Vinyl IV

Lançada em 1985, a criação da britânica Kate Bush atingiu na época o terceiro lugar das paradas no Reino Unido e apenas um modesto trigésimo lugar nos Estados Unidos. Trinta e sete anos depois, a típica faixa dos anos 1980, embalada por sintetizadores e pelos agudos dramáticos de Kate, experimenta um sucesso sem precedentes ao ser alavancada, justamente, por Stranger Things. Desde maio, quando a quarta temporada foi ao ar, a música atingiu o primeiro lugar na Inglaterra, o quarto nos Estados Unidos e está em primeiro no Spotify mundial, com cerca de 1 milhão de execuções diárias. O resgate da canção também significará dinheiro no bolso da cantora: hoje aos 63 anos, ela deverá ganhar 1 milhão de libras (cerca de 6,3 milhões de reais) apenas em direitos autorais.

DIVA DRAMÁTICA - Kate Bush no auge, na década de 80: volta triunfal aos 63 e conta bancária mais gorda -
DIVA DRAMÁTICA - Kate Bush no auge, na década de 80: volta triunfal aos 63 e conta bancária mais gorda – Beverley Goodway/Shutterstock

Kate Bush – The Sensual World [Disco de Vinil]

A ressurreição de Kate Bush é o caso mais recente de um fenômeno que se tornou comum nos últimos anos: o retorno às paradas de músicas lançadas décadas atrás, motivado pelo uso das canções nas trilhas sonoras de filmes, séries de TV, videogames — e, claro, nas onipresentes redes sociais. Outro exemplo simbólico é a canção Dreams, do Fleetwood Mac. O clássico da fossa roqueira é de 1977, mas voltou ao topo dos rankings após viralizar em 2020 no TikTok, com o vídeo de um skatista ouvindo a música enquanto bebia suco de cranberry. A rede chinesa também foi responsável pelo ressurgimento do Abba. Graças aos vídeos de adolescentes dançando músicas do grupo sueco, os quatro integrantes voltaram a se reunir e, no ano passado, quatro décadas após a separação, lançaram um disco de inéditas. Nos cinemas, o filme The Batman, com Robert Pattinson, tirou do limbo a soturna Something in the Way, do Nirvana. Na época do lançamento, há 31 anos, ela não entrou nas paradas. Agora, fez sua estreia tardia na Billboard.

Continua após a publicidade

ANOS 1980 - A garota Max levita em Stranger Things: tormentos juvenis deram nova vida a Running Up That Hill -
ANOS 1980 - A garota Max levita em Stranger Things: tormentos juvenis deram nova vida a Running Up That Hill – ./Netflix

O fato de tantas canções de décadas atrás retornarem às paradas e caírem no gosto da nova geração se deve principalmente à maneira como consumimos música hoje. A facilidade para encontrar uma obra lançada há cinquenta anos ou outra que saiu ontem tornou-se a mesma: basta digitar no celular o título e os serviços de streaming fazem o resto. Depois disso, os algoritmos entram em ação e o mesmo mecanismo que alimenta um hit atual passa a trabalhar também para “bombar” o antigo. Coisa de vinte anos atrás, caso uma música entrasse numa trilha sonora, o fã precisaria ir atrás do CD (e, se o título fosse antigo, seria duro encontrá-lo nas lojas).

Kate Bush – Aerial

Hoje, além da facilidade de acesso, as vitrines se multiplicam. Games como Guitar Hero ou Rock Band ajudaram a reviver hits de bandas de rock dos anos 70 e 80. Agora, foi a vez do Guns N’Roses voltar às paradas nos Estados Unidos após Sweet Child O’ Mine ser usada no trailer de Thor: Amor e Trovão — e olha que a superprodução da Marvel ainda nem estreou. Para os artistas do passado, a chance de ser tirado do fundo do baú nunca foi tão concreta.

Publicado em VEJA de 29 de junho de 2022, edição nº 2795

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

Kate Bush - Remastered In Vinyl IV
Kate Bush – Remastered In Vinyl IV
Kate Bush - The Sensual World [Disco de Vinil]
Kate Bush – The Sensual World [Disco de Vinil]
Kate Bush - Aerial
Kate Bush – Aerial

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)