Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

O diálogo gay de ‘Animais Fantásticos 3’ que provocou censura na China

A pedido das autoridades de Pequim, Warner cortou falas que aludiam explicitamente à relação amorosa entre os bruxos Dumbledore e Grindelwald

Por Marcelo Canquerino 12 abr 2022, 14h36

A pedido do governo da China, a Warner Bros. retirou um diálogo gay de Animais Fantásticos: Os Segredos de Dumbledore para a exibição no país. A conversa deixava explícita a antiga relação amorosa entre o bruxo das trevas Gellert Grindelwald, interpretado por Mads Mikkelsen, e Alvo Dumbledore, vivido por Jude Law. No total, o corte feito no filme foi de apenas 6 segundos dos 143 minutos totais, mas vale lembrar que a revelação do romance entre o mocinho e o vilão é parte fundamental para a construção da história e dos personagens, e uma das cenas mais esperadas do filme.

Dentre as falas censuradas para que a produção pudesse adentrar o território chinês sem problemas estão “Eu estava apaixonado por você” e “o verão em que Gellert e eu nos apaixonamos”. Nos filmes do universo Harry Potter, essa é a primeira vez que o relacionamento dos dois é mencionado explicitamente. A escritora J.K. Rowling surpreendeu os fãs com a notícia de que Dumbledore era gay em 2017, durante um evento após a publicação do último livro da franquia, Harry Potter e as Relíquias da Morte.

Em comunicado enviado ao jornal americano The Hollywood Reporter, um porta-voz da Warner Bros. disse que o estúdio estava comprometido em proteger a integridade dos filmes que lança e que isso se estende a circunstâncias que, às vezes, exigem “cortes sutis” para responder a fatores de mercado. “Nossa esperança é lançar nossas produções em todo o mundo conforme foram idealizadas por seus criadores, mas historicamente enfrentamos pequenas edições feitas em mercados locais. No caso de Animais Fantásticos: Os Segredos de Dumbledore, um corte de 6 segundos foi solicitado e a Warner Bros. aceitou essas mudanças para cumprir os requisitos locais, mas o espírito do filme permanece intacto. Queremos que o público em todo o mundo veja e aproveite este filme, e é importante para nós que o público chinês tenha a oportunidade de experimentá-lo também, mesmo com essas pequenas edições.”

Na China, o filme já chegou aos cinemas e liderou a bilheteria durante seu fim de semana de estreia. A arrecadação ficou abaixo do esperado, com apenas 9,7 milhões de dólares porque o país atualmente enfrenta um surto de Covid-19. No Brasil, o longa estreia nesta quinta-feira, 14 de abril.

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)