Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

‘O Destino É o Caminho’, o guia de um cético sobre o Caminho de Santiago

O jornalista Ricardo Rangel oferece uma crônica pessoal, mas com lições para qualquer viajante, a respeito da jornada até Santiago de Compostela

Por Marcelo Marthe Atualizado em 9 out 2020, 18h28 - Publicado em 9 out 2020, 06h00
O DESTINO É O CAMINHO, de Ricardo Rangel (Edições de Janeiro; 176 páginas; 68 reais) – ./.

Desde o século IX, na alta Idade Média, milhares de devotos acorrem todos os anos à cidade espanhola de Santiago de Compostela. Acredita-se que as relíquias de um dos apóstolos de Cristo, Santiago Maior, estejam depositadas na catedral que divide com Roma e Jerusalém o título de maior destino de peregrinação cristã — na verdade, o termo “peregrino” surgiu para designar quem se dirige até lá. O jornalista carioca Ricardo Rangel expõe esses saborosos detalhes históricos logo no início de O Destino É o Caminho. Mas, ao ler sua recém-lançada crônica sobre a experiência de percorrer a rota de Santiago, também se nota que Rangel — colunista político de VEJA — não preenche os requisitos do típico peregrino. Agnóstico, ele vê com descrença as relíquias do santo, e confessa ter abandonado antes do fim um livro que renovou o misticismo em torno do tema, O Diário de um Mago, de Paulo Coelho. Bon vivant, luta ao longo das 176 páginas para driblar micos como vinhos ruins e albergues com percevejos e hóspedes roncadores. Ao final, contudo, vem o milagre: a jornada revela-se enriquecedora para o autor e seus leitores. “O Caminho é uma experiência de liberdade extrema, algo quase inconcebível na vida moderna”, reflete.

+ Compre o livro O Destino é o Caminho, de Ricardo Rangel
+ Compre o livro Passado E Futuro Da Era Da Informação, de Ricardo Rangel

O ceticismo é o que faz do autor um guia insuspeito para examinar as razões que levam tantos ainda hoje a se render a essa procissão de quase 800 quilômetros a pé. Rangel tinha uma ideia vaga sobre o que vinha a ser o Caminho de Santiago até sentir, perto dos 50 anos, o desejo de uma guinada. Após viver uma desilusão amorosa e desligar-se de sua empresa, ele abraçou o projeto com fervor: impressiona o modo como percorreu do lugarejo francês de Saint-Jean-Pied-de-Port até o destino final, em 2014, com tudo milimetricamente estudado.

+ Compre o livro O Guia do Viajante do Caminho de Santiago
+ Compre o livro Pelas Trilhas da Compostela

Continua após a publicidade

Embora O Destino É o Caminho seja um relato pessoal, futuros viajantes poderão extrair lições da aventura. Das festas de touros em Pamplona às vinícolas de La Rioja, passando por dicas de como enfrentar as bolhas nos pés, Rangel oferece opiniões de um viajante rodado. Seu livro é também uma investigação de como o caminho medieval mantém seu magnetismo no mundo atual. No contato com gente de muitos países, ele descobre uma ética peculiar. “É preciso ser obtuso para não aprender sobre si mesmo e para não incorporar, por pouco que seja, esse espírito do Caminho, de ser mais suave, de se preocupar menos, de ser mais tolerante, de tentar não julgar os outros”, escreve. Mesmo o maior dos incrédulos sairá do processo com a fé renovada na vida.

Publicado em VEJA de 14 de outubro de 2020, edição nº 2708

VEJA RECOMENDA | Conheça a lista dos livros mais vendidos da revista e nossas indicações especiais para você.

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR


O Destino é o Caminho, de Ricardo Rangel

Passado E Futuro Da Era Da Informação, de Ricardo Rangel

O Guia do Viajante do Caminho de Santiago

Pelas Trilhas da Compostela

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Continua após a publicidade

Publicidade