Clique e assine a partir de 8,90/mês

No Carnaval da crise, o hit dos blocos é a bebida que vem de casa

Com latas e garrafas de cerveja e água sendo vendidas a 5 reais nas ruas, foliões preferiram levar coolers e caixas térmicas abastecidas com seus próprio drinques

Por Mônica Garcia e Rafael Aloi - 10 fev 2016, 07h43

No Carnaval da crise, o jeito foi beber sem deixar de economizar. Para não começar o ano no vermelho, muitos foliões que acompanharam os blocos de rua no Rio de Janeiro e em São Paulo – onde as latas e garrafas de cerveja e água eram vendidas a 5 reais, em média -, decidiram levar a bebida de casa em caixas térmicas e coolers.

Leia também:

Nem tempestade inibe desfile da Charanga do França, em São Paulo

‘Hermes e Renato’ matam as saudades dos fãs em bloco no Largo da Batata

Axés e funks do passado lotam a Rua Augusta, em São Paulo

Com roubos e confusões, Cordão da Bola Preta arrasta 1 milhão de pessoas pelo Rio

Continua após a publicidade

Irreverente, Bloco das Carmelitas abre o Carnaval de rua no Rio

No sábado, no bloco do Sidney Magal, em São Paulo, um grupo de amigos arrastava com uma corda um carrinho com um cooler. “Sai muito mais barato, a gente compra latas maiores por quase a metade do preço que vendem aqui. Trazer de casa também é garantia de que a bebida vai estar gelada”, disse Pedro Fagundes, de 26 anos. Quando questionado se não dá trabalho levar a caixa térmica pelas ruas, outro amigo respondeu: “É só não tentar passar pela multidão, e dá até pra vender algumas cervejas para galera e comprar mais para a gente depois”, contou Augusto Reis.

Outra foliã, que estava no mesmo bloco, preferiu trazer as bebidas de casa pois não tem paciência para procurar um vendedor. “Prefiro ficar sossegada no meu canto e trazer meu próprio cooler, onde coloco, além de cerveja, energético e sucos, que a gente não encontra vendendo por aí. Além de economizar, o que nessa época é sempre bom”, disse Maria Inês Castro, de 37 anos, que compartilhava as bebidas com as irmãs.

Para o capixaba Renato Santos e Silva, 35 anos, que curtiu o Carnaval carioca pela primeira vez, o custo da viagem já é muito alto, portanto, a solução encontrada para cair na folia sem gastar muito foi carregar um isopor pelos blocos. “Só de aluguel do apartamento que estamos em Copacabana gastamos 4 000 reais. Estamos em quatro pessoas. Mais alimentação, ingressos para ver os desfiles no Sambódromo, táxi e tantos outros custos que o nosso orçamento estourou no primeiro dia. Por isso, fomos até um supermercado e compramos a caixinha de isopor. Todos os dias voltamos e compramos mais bebidas e gelo. Estamos economizando muito.”

A advogada Carolina Moreira, 26 anos, carregou uma lancheira com sua bebida preferida, a caipirinha, ao pular o Carnaval no Rio. “Nos blocos de rua você não encontra caipirinha para vender e, quando compra em um bar próximo do bloco, o preço é absurdo. O mais barato que eu consegui encontrar foi 12 reais, um copinho, e eles usam qualquer cachaça que depois dá uma ressaca danada. Eu faço a minha com uma cachaça boa, trago 1 litro para o bloco e gasto 30 reais.”

Muitos foliões ainda tentavam negociar com os ambulantes – que aceitam até cartão de crédito e vale-refeição – para conseguir um desconto na hora de comprar as bebidas. O estudante Fernando Basso, de 22 anos, chegou ao Bloco BregsNice, na segunda-feira em São Paulo, já preparado. “Eu trago essa sacola térmica vazia, para comprar várias latas de uma vez. Combino um preço menor por unidade, aí não preciso carregar tanto peso como se trouxesse de casa e também não preciso beber correndo para não esquentar”, contou.

Teve folião que começou a preparação semanas antes do Carnaval, como é o caso da estudante Érica Isidoro, de 25 anos, que duas semanas antes do feriado já começou a fazer um estoque da sua bebida favorita, a catuaba, para curtir a festa em São Paulo. “No ano passado, acabou a catuaba nos mercados perto de casa ou eu encontrava muito mais caro só porque era Carnaval. Desta vez, eu resolvi já me preparar, comprar antes e trazer geladinha de casa”, disse, ostentando a sacola térmica que continha três garrafas.

Continua após a publicidade
Publicidade