Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Museus coletam objetos, fotos e vídeos que retratam a pandemia

Espaços do mundo inteiro buscam memórias que expressam o que a humanidade enfrentou na quarentena. A ideia é deixar o registro para a posteridade

Por Luiz Felipe Castro Atualizado em 25 mar 2021, 21h43 - Publicado em 24 jul 2020, 06h00

Os museus surgiram na Idade Média para conservar o que de mais extraordinário o homem era capaz de produzir. O coronavírus parece ter subvertido essa lógica: descobriu-se na pandemia que o ordinário pode ter imenso valor. Nos últimos meses, curadores do mundo inteiro têm se dedicado a uma tarefa hercúlea, a coleta de objetos, vídeos e fotos que capturam o espírito de um dos períodos mais dramáticos da história da humanidade. A ideia é deixar para as próximas gerações o registro perene do que o planeta enfrentou. “Os museus não são espaços para apenas perfilar objetos e guardar o passado, mas para dialogar e refletir sobre o presente”, diz Maria Ignez Franco, museóloga e ex-­presidente do Comitê Brasileiro do Conselho Internacional de Museus. “A pandemia tornou obrigatória para nós a coleta das memórias contemporâneas.” Segundo ela, os curadores brasileiros fazem parte do movimento global de colher artefatos, embora os projetos mais avançados sejam realizados em países como Alemanha, Canadá, Estados Unidos e Itália.

Vale tudo para deixar os rastros do coronavírus para a posteridade. O Autry Museum of the American West, de Los Angeles, comprou o diário de uma criança que escreveu sobre os temores despertados pela pandemia. Em Londres, o Victoria and Albert Museum, referência em arte e design, criou uma página na internet com retratos de “objetos pandêmicos”, como máquinas de costura para a produção de máscaras. “Coletamos também itens que ganharam novos significados”, diz o canadense Brendan Cormier, curador sênior do V&A. “Uma lista de compras do supermercado tem enorme potencial para contar a história da pandemia.” Por ora, os acervos são digitais, mas em breve exposições físicas sobre a Covid-19 se espalharão pelo planeta. Os museus, afinal, não aprisionam apenas as grandes realizações da humanidade, mas também registram os flagelos perpetrados por ela. Exemplos disso são o museu do Holocausto, em Berlim, e o Memorial 11 de Setembro, em Nova York. “Representar tragédias é complexo, já que lidamos com a perda de entes queridos”, afirma Cormier.

A tecnologia tem papel vital na preservação dos acontecimentos atuais. Se os únicos registros sobre a peste bubônica, que matou milhões de europeus até o século XVII, são as macabras máscaras com bico de pássaro usadas pelos médicos, o coronavírus está sendo amplamente documentado, talvez como nenhum outro período histórico jamais foi. Um único smartphone é capaz de gravar o desabafo desesperado de autoridades emparedadas pelo vírus ou os momentos derradeiros de vítimas da doença. Há também espaço para leveza, como cartas de amor escritas por casais separados pela quarentena, ou obras divertidas. A Mona Lisa, de Leonardo da Vinci, ganhou incontáveis e, em certos casos, hilárias releituras. Ela foi desenhada com máscaras de proteção, segurando papéis higiênicos nas mãos — a compra do item se tornou febre durante a pandemia — ou mais rechonchuda, o que seria o efeito colateral da quarentena.

Peças como essas fazem sucesso na página The Covid Art Museum, que tem 125 000 seguidores no Instagram. “O Brasil é um dos três países que mais nos seguem e contribuem com criações”, diz o publicitário espanhol José Guerrero, um dos idealizadores do projeto. O mais letal vírus desde a gripe espanhola de 1918 representou uma oportunidade para artistas profissionais e amadores. Depois de perder o emprego em um restaurante, o americano Jake Sheiner decidiu pintar cenas de sua solidão na Califórnia. “Isso me manteve saudável”, conta. “Foi terapêutico e abriu portas.” O coronavírus deixará um legado sombrio para a posteridade, mas mostrou que as grandes tragédias também servem de inspiração.

ARTE E HUMOR EM MEIO AO CAOS

A dura realidade do vírus foi eternizada em todas as plataformas

Continua após a publicidade

VÊNUS, de Botticelli: ela não escapou do bronzeado da Covid-19.
VÊNUS, de Botticelli: ela não escapou do bronzeado da Covid-19. Instagram @covidartmuseum/.
MONA LISA, de Leonardo da Vinci: estoque de papel higiênico.
MONA LISA, de Leonardo da Vinci: estoque de papel higiênico. Instagram @covidartmuseum/.
VIDEOCONFERÊNCIA: tecnologia contra a solidão.
VIDEOCONFERÊNCIA: tecnologia contra a solidão. Museu de Viena/.
ARTESANATO: vírus no formato de bola de crochê.
ARTESANATO: vírus no formato de bola de crochê. Museu de Viena/.
OLHAR INFANTIL: desenhos e até diários de crianças guardados para o futuro.
OLHAR INFANTIL: desenhos e até diários de crianças guardados para o futuro. Museu de Viena/.

Publicado em VEJA de 29 de julho de 2020, edição nº 2697

  • Leia também: Pesquisa mostra que brasileiro subestimou a pandemia e culpa Bolsonaro.
Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)