Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Museu de Madri exibe arte sensorial de Lygia Pape

Mostra reúne cerca de 250 obras, entre pinturas, relevos, xilografias e performances

Por Da Redação 24 Maio 2011, 22h13

A arte sensorial e participativa de Lygia Pape, um dos nomes de referência da arte contemporânea brasileira, será exibida a partir desta terça-feira no Museu Rainha Sofia de Madri na primeira exposição monográfica dedicada à artista na Europa. Lygia Pape. Espaços Imantados reúne cerca de 250 obras, entre pinturas, relevos, xilografias e performances, apresentadas através de objetos, vídeos e fotografias, assim como uma abundante produção cinematográfica, cartazes de filmes, poemas, colagens e documentos, que estarão em cartaz até 3 de outubro.

Apesar da variedade de disciplinas com que Lygia Pape (Nova Friburgo, 1927-Rio de Janeiro, 2004) se envolveu em sua trajetória, o que torna especial sua obra e a diferencia da de brasileiros como Hélio Oiticica e Lygia Clark é a utilização do livro como elemento simbólico.

Segundo declarou um dos responsáveis da mostra e diretor do Museu Rainha Sofia, Manuel Borja-Villel, apesar da obra de Lygia Pape se manifestar “de várias formas”, como no balé, no cinema e na pintura, o livro é o elemento principal da artista “no sentido que Mallarmé dava à palavra: como algo que cria um espaço moderno”. Na sua opinião, a artista brasileira utiliza sua obra como um espaço “no qual o espectador se introduz e é capaz de criar caminhos próprios”, aspecto que a torna “singular”.

Suas peças mais conhecidas, como Tecelares (1955), com os quais começa a experimentar com xilografias realizadas pela incisão de sutis linhas da madeira são destaques da mostra.

Lygia estreou no mundo da arte na linha da abstração de tendência orgânica e geométrica e com seus Desenhos, realizados em tinta sobre papel japonês que lembram as gravuras japonesas. Em 1959, quando junto a Hélio Oiticica e Lygia Clark fez sua incursão no movimento do neoconcretismo, com seus Balés, Poemas e Livros, nos quais traduz visual e musicalmente um poema através do movimento, dá participação ao leitor na construção do livro (Poemas Luz) e constrói uma narrativa mediante a imagem (Livro da Criação).

A exposição mostra também o lado mais crítico da artista com suas obras Caixa de Baratas e Caixa de Formigas, de 1967, uma crítica explícita à arte mumificada dos museus e à condição marginal da população.

Para uma das responsáveis, Teresa Velázquez, a exposição “faz justiça poética” a uma das artistas mais importantes da arte brasileira da segunda metade do século XX, contribui ao conhecimento, estudo e difusão da arte, cuja característica principal é a de integrar as esferas estética, ética e política em sua obra.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade