Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

MP investiga racismo no ‘BBB16’ por uso de boneco-esponja com black power

Segundo reclamações recebidas pelo MPF, objeto "reforça um estigma de comparação entre o cabelo crespo e uma esponja de aço e contribui para ofender a imagem do negro no país"

Por Heloísa Noronha 3 fev 2016, 21h34

A Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão no Rio de Janeiro abriu um procedimento preparatório para investigar se houve discriminação racial por parte Rede Globo na utilização de uma esponja de lavar louça que tem a forma de um boneco com cabelo black power. Fabricado por uma empresa britânica, o utensílio compôs o visual do Big Brother Brasil. Segundo nota do MPF, a Seção de Atendimento ao Cidadão do Ministério Público Federal recebeu diversas reclamações sob a alegação de que “o objeto reforça um estigma de comparação entre o cabelo crespo e uma esponja de aço e contribui para ofender a imagem do negro no país”.

Leia também:

No ‘Mais Você’, Globo ameniza imagem ruim de Laércio: ‘pedofilia não é crime’

Permanência de Ana Paula incomoda participantes do ‘BBB16’

‘BBB16’: Perfil de Laércio no Facebook é apagado

Renan e Munik, o romance mais demorado do ‘BBB16’

De acordo com o procurador Renato Machado, desde que o reality show teve início, em 19 de janeiro, as queixas não param de chegar, incluindo da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial. Por avaliar que elas tratam de um interesse coletivo, a Procuradoria Regional decidiu enviar um ofício à Globo, intimando-a a prestar esclarecimentos. “A forte manifestação popular na internet, através de comentários em redes sociais, também será levada em consideração”, diz Renato. “Vamos apurar se houve, de fato, discriminação. Em princípio, entendemos que a esponja-boneco reforça dois estereótipos preconceituosos: a de que lugar de negro é na cozinha e de que o cabelo afro é semelhante à palha de aço”, explicou.

Segundo o procurador, a emissora tem até o fim de fevereiro para se posicionar e se retratar, tirando o utensílio do programa. Caso não o faça, o MP deve cobrar reparação de danos. Procurada pela reportagem, a assessoria de imprensa da Rede Globo confirmou que o ofício foi recebido e que a esponja, representando um dançarino disco dos anos 1970, faz parte de uma coleção que retrata ícones de gerações e culturas diversas, como uma moça descolada dos anos 60, um soldado da guarda inglesa e até a rainha Elizabeth. Estes outros modelos estão sendo colocados na casa conforme as necessidades de uso e já podem ser vistos no ar.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês