Clique e assine com até 92% de desconto

Mostra de David Bowie chega a SP explorando versatilidade

Mostra usa peças do acervo do artista para desenhar sua evolução e mostrar como ele influenciou e foi influenciado ao longo da carreira

Por Juliana Zambelo Atualizado em 10 dez 2018, 09h56 - Publicado em 31 jan 2014, 07h36

David Bowie é alto. Na exposição sobre o camaleão pop que o Museu da Imagem e do Som (MIS) de São Paulo abriga a partir desta sexta-feira, a imponência física do artista chama a atenção a cada passo do trajeto. Isso porque são os seus figurinos, usados em shows, performances na TV, fotos promocionais, filmes e peças de teatro em diversas fases de sua carreira, o grande destaque do evento.

A mostra foi realizada pelo museu britânico Victoria & Albert, de Londres, entre março e agosto de 2013 e é considerada a primeira grande retrospectiva da carreira de Bowie. Para organizá-la, os curadores do museu tiveram acesso ao acervo pessoal do artista e reuniram cerca de 300 peças que contam a sua história na música, na moda e no cinema. Grande sucesso, a exposição recebeu, na capital inglesa, mais de 300.000 visitantes. No final do ano, foi exibida no Canadá e chega agora a São Paulo com grande parte de seu catálogo original.

David Bowie é eleito o britânico mais bem vestido da história

David Bowie lança clipe que custou menos de 30 reais

Entre os objetos expostos, há manuscritos de músicas, páginas de diário, fotografias, capas de discos, esboços e rascunhos de trabalhos que mostram a versatilidade e a criatividade única do músico. Entre as curiosidades, há um lenço de papel com marcas de batom, chaves do apartamento usado por Bowie em Berlim em 1977 e uma foto do registro policial feito quando o cantor foi preso por porte de maconha, em 1976.

As peças são divididas em salas por temas, sem necessariamente respeitar uma ordem cronológica. A visita é realizada com fones de ouvido que tocam, automaticamente, músicas e trechos de entrevistas em sintonia com o vídeo exibido em cada sala.

Ao menos em sua versão brasileira, a exposição é bastante escura, e os visitantes contam com marcas no chão para se guiar. A baixa iluminação pode conferir charme à montagem em alguns momentos, mas, em outros, prejudica a leitura das placas explicativas e impede a percepção de detalhes dos objetos.

Continua após a publicidade

E há muitos detalhes para ver, em especial nas roupas idealizadas e usadas pelo cantor. São 47 figurinos, muitos deles históricos, como o macacão de vinil Tokyo Pop, usado na turnê do álbum Alladin Sane, em 1973, três dos figurinos da turnê do álbum Ziggy Stardust (1972), como o macacão com desenhos de coelhos e o conjunto de listras verticais vermelho e verde, além de ternos e casacos usados em diferentes momentos da carreira, alguns em cores fortes e cortes menos convencionais.

David Bowie lança novo single após dez anos

David Bowie lança clipe com Gary Oldman e Marion Cotillard

Algumas dessas peças são reunidas em uma sala impactante: separada do resto da exposição por cortinas pretas, ela tem pé-direito alto e um imenso telão que ocupa todas as paredes, exibindo clipes e fotos acompanhados de músicas em alto volume, promovendo um verdadeiro mergulho no universo do artista. Só é preciso atenção para não passar direto por ela, já que a entrada não é sinalizada e, na sala escura, as cortinas pretas se confundem com as paredes.

A exposição vai até 20 de abril com ingressos a 10 reias na recepção do museu ou 25 reais pelo site Ingresso Rápido. Às terças-feiras, a entrada é gratuita. O MIS abre de terça a sexta, das 12h às 20h; sábado, das 11h às 21h; e domingo e feriado, das 11h às 20h.

https://www.youtube.com/watch?v=AJHP15MPcKw

Continua após a publicidade
Publicidade