Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Morre o ator Jorge Dória, aos 92 anos

Internado desde 23 de setembro, ele teve complicações renais e respiratórias

Por Da Redação 6 nov 2013, 15h09

Morreu nesta quarta-feira o ator Jorge Dória, de 92 anos. Ele estava internado desde o dia 27 de setembro na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Barra D’Or, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio. O corpo será cremado na quinta-feira, no Memorial do Carmo, no Caju, Zona Portuária.

De acordo com a assessoria de imprensa da unidade de saúde, o ator morreu às 15h05 devido a complicações renais e respiratórias. Seu estado de saúde piorou na terça-feira, quando a equipe médica decidiu aumentar a dose de medicamentos para controlar a pressão arterial.

Carreira – O último papel de Jorge Dória na TV foi no programa Zorra Total, da TV Globo, em 2005, quando sofreu um Acidente Vascular Cerebral (AVC) e se afastou da profissão para cuidar da saúde. Entre seus papéis mais famosos estão o Lineu, da primeira versão de A Grande Família, e Vanoli Verbal, de Que Rei Sou Eu?.

Sua estreia no cinema foi no filme Mãe, de 1947. Desde então, fez mais de 80 participações em filmes, peças de teatro, novelas e seriados. Na TV Globo, sua primeira aparição foi como o Ambrósio de O Noviço, em 1975.

Filho de militar, Jorge Pires Ferreira nasceu no Rio de Janeiro em 12 de dezembro de 1920. Passou a assinar Jorge Dória em homenagem ao amigo Leoni Dória Machado, com quem escreveu a primeira peça na qual atuou, As Pernas da Herdeira (1951).

‘O Noviço’

Jorge Dória iniciou carreira em telenovelas com E Nós, aonde Vamos?, da extinta TV Tupi, em 1970. Na Globo, sua primeira trama foi O Noviço, de 1975. Nela, Dória fez o papel do vigarista Ambrósio, que ao longo do folhetim se interessa pela herança da viúva Florência, interpretada por Isabel Ribeiro. A novela foi uma adaptação, com assinatura de Mario Lago, da peça de mesmo nome de Martins Pena e contava com Pedro Paulo Rangel no papel do noviço Carlos. 

‘Que Rei Sou Eu?’

Jorge Dória ficou mais conhecido por novelas de tom humorístico, como Brega & Chique (1987), Tieta (1989) e Que Rei Sou Eu?, todas da Globo. Ele fazia o papel de Vanoli Berval, um dos conselheiros da rainha Valentine, interpretada por Tereza Rachel. A atuação rendeu a Dória o prêmio de melhor ator pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA). A novela foi exibida entre fevereiro e setembro de 1989 no horário das 19h e, devido ao enorme o sucesso, foi reprisada um mês após o término, às 17h, na extinta Sessão Aventura

Continua após a publicidade

‘A Grande Família’ (1ª versão)

Jorge Dória participou da primeira versão do seriado A Grande Família, da Rede Globo, escrita por Oduvaldo Vianna Filho e Paulo Pontes. Ele fazia o papel do funcionário público Lineu, vivido por Marco Nanini na versão atual. O seriado foi exibido entre 1972 e 1975 e teve quatro temporadas.

https://youtube.com/watch?v=GfToNeN7PO8

‘A Dama do Lotação’

Dória também teve papel importante no cinema nacional. Seu primeiro longa foi Mãe, em 1947, dirigido pelo radialista Teófilo de Barros. Entre seus filmes de maior destaque, está A Dama do Lotação, baseado na obra homônima de Nelson Rodrigues, em que ele faz o papel do sogro da protagonista, Solange, interpretada por Sônia Braga. Jorge Dória também faria A Dama do Cine Shangai em 1987, dirigido por Guilherme de Almeira Prado e com Antônio Fagundes e Maitê Proença no elenco.

Pornochanchadas

Ao longo da década de 1970, Jorge Dória contribuiu para o sucesso das pornochanchadas nos títulos mais escrachados, como Oh, que Delícia de Patrão! (1974), Como É Boa a Nossa Empregada (1973), Com as Calças na Mão (1975) e Um Varão entre as Mulheres (1974). Em Um Soutien para o Papai, Dória faz o papel do marido de Gracinha (Renata Fronzi), dona de uma fábrica de sutiãs.

‘Zorra Total’

Entre 2000 e 2005, Jorge Dória passou a integrar o elenco fixo do programa humorístico Zorra Total, da Globo. Ele viveu Alfredão, um machão frustrado por seu filho, interpretado por Lúcio Mauro Filho, ser homossexual. No quadro, ele entoava o bordão “Onde foi que eu errei?”. 

‘O Homem do Ano’

O último papel de Jorge Dória foi no cinema, no filme O Homem do Ano (2003), dirigido por José Henrique Fonseca. Ele fez o dentista Carvalho (Jorge Dória), que propõe cuidar dos dentes do protagonista Máiquel (Murilo Benício) desde que ele mate o estuprador de sua filha. O longa ainda conta com José Wilker e Claudia Abreu.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)