Clique e assine com até 92% de desconto

Pianista McCoy Tyner, lenda da história do jazz, morre aos 81 anos

Integrante do célebre quarteto de John Coltrane nos anos 60, ele influenciou dez entre dez expoentes do instrumento

Por Redação Atualizado em 6 mar 2020, 18h16 - Publicado em 6 mar 2020, 17h23

McCoy Tyner, um dos pianistas mais importantes da história do jazz, morreu nesta sexta-feira 6. Nos anos 60, Tyner foi um dos pilares do lendário quarteto de John Coltrane. Seu estilo percussivo de tocar o teclado, e o virtuosismo lírico de suas improvisações fizeram dele uma figura seminal que influenciou dez entre dez pianistas do gênero, colocando-o ao lado de Bill Evans e Herbie Hancock como um dos gigantes do instrumento. Tyner tinha 81 anos, e a causa da morte não foi divulgada.

O sobrinho de Tyner, Colby, se despediu do tio por meio de sua rede social: “É com grande pesar que anuncio que meu tio McCoy Tyner morreu. Um dos melhores pianistas de jazz da história. Uma lenda”, escreveu.

Logo em seguida a família do pianista publicou uma carta em que escreveu que todos os parentes estão com “os corações pesados”. “McCoy foi um músico inspirador que devotou sua vida à arte, à família e à espiritualidade. Seu legado continuará inspirando fãs e talentos futuros pelas gerações que virão.”

McCoy Tyner nasceu em 11 de dezembro de 1938 na Filadélfia e começou a estudar piano aos 13 anos. Alfred Tyner, seu nome de batismo, tinha 21 anos quando o grande John Coltrane o convidou para se tornar um membro do seu aclamado  quarteto. Juntos, eles gravaram álbuns clássicos como My favorite things e Love Supreme

O pianista também lançou diversos álbuns solos por gravadoras como a Blue Note. Começando pelo seu LP em 1962, Inception. Em 1965, Tyner deixou o grupo de Coltrane e foi tocar com grandes músicos da época, como Art Blakey, Carlos Santana, Donald Byrd, Grant Green, Lee Morgan, Stanley Clarke e Wayne Shorter.

A espiritualidade foi uma marca importante na vida do pianista. Aos 18 anos, Tyner – de origem cristã – se converteu ao islamismo. Ele dizia que a fé foi um elemento essencial de sua música. “Minha religião ensina a paz, o amor de Deus e a unidade do ser humano. Essa mensagem naturalmente afetou minha música.”

Continua após a publicidade
Publicidade