Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

MJ Rodriguez, a atriz de ‘Pose’ que conquistou indicação histórica no Emmy

Primeira mulher trans indicada em uma categoria principal de atuação, protagonista da série de Ryan Murphy diz que 'finalmente foi vista como ser humano'

Por Tamara Nassif Atualizado em 17 set 2021, 16h48 - Publicado em 17 set 2021, 10h27

Quando Michaela Jaé Rodriguez soube que foi nomeada ao prêmio de melhor atriz em série dramática do Emmy, ela correu até a mãe e rodopiou pela sala. “Minha avó me deu um abração e gritou ‘Você merece! Você merece!’”, conta ela à imprensa americana. A conquista da primeira nomeação vem por seu papel como Blanca, protagonista da aclamada série de Ryan Murphy Pose, cuja terceira e última temporada foi disponibilizada no Brasil na última quarta-feira, 15, pelo streaming Star+. O feito já seria grande por si só, mas, agora, ganhou tintas históricas: MJ Rodriguez é a primeira atriz trans a ser indicada a uma categoria principal de atuação do Emmy. 

“Por muito tempo, achei que não era merecedora. Tem muita coisa em jogo quando nos identificamos como pessoas trans, e eu tinha muitas inseguranças. Quando soube, caí no choro nos braços do meu namorado. Senti que finalmente fui entendida como um ser humano”, desabafou a americana de 30 anos. A afiada trama de Pose – a primeira grande série de protagonistas transexuais interpretados por artistas também transexuais – acompanha a cena LGBT na Nova York das décadas de 1980 e 1990, duramente atingida pela epidemia de Aids. Quando Blanca Evangelista descobre ser portadora do vírus, decide pôr em prática um sonho em muito adiado: estar à frente de uma “casa”, apelido dado pela comunidade a centros de abrigo para jovens LGBTs expulsos pelos pais, e disputar os badalados bailes em que cada casa compete por troféus – e muita glória. Ela funda, então, a House of Evangelista, e passa a ser a “mãe” de uma família de desajustados (há uma prostituta trans, que sonha em ser tratada como uma mulher, um brilhante dançarino gay expulso de casa às pauladas pelo pai e até um malandro das ruas). 

Clique aqui para assinar Star+

MJ Rodriguez (esq.) e elenco em cena de 'Pose', afiada série LGBT de Ryan Murphy
MJ Rodriguez (esq.) e elenco em cena de ‘Pose’, afiada série LGBT de Ryan Murphy Eric Liebowitz/FX/.

Desde a estreia há três anos, a série vem fazendo história nas premiações: em 2019, Billy Porter se tornou o primeiro ator negro e gay a ser nomeado (e a ganhar) um Emmy em uma categoria de atuação principal, vindo de seu papel como Pray Tell, o mestre de cerimônias dos bailes. “Quando estávamos prestes a começar as gravações de Pose, o mundo estava extremamente hostil para pessoas trans. Eu estava preocupada que, com o lançamento da série, seríamos alvo de ataques, mas nunca estive tão enganada”, conta Michaela Jaé. “O amor que recebemos é impressionante.” A trama, contudo, não se limita ao universo LGBT, conquistando um público diverso pela capacidade de partir das particularidades do grupo para temas universais. 

  • Para MJ, contudo, a indicação já conta mais que a vitória. “Mostra que estão abertos a ver como pessoas trans podem entrar no espaço da arte. Esse era meu objetivo principal”, conta ela. Nascida em Nova Jersey, ela “rezava para se tornar mulher” já aos 7 anos, embora estivesse em negação por anos a fio. A primeira saída do armário veio aos 14 anos, quando revelou aos pais que era bissexual. A segunda, e oficial, veio enquanto interpretava Angel, uma drag-queen do musical Rent, sua estreia na Off-Broadway. “Toda vez que eu saia do palco, eu sentia que algo em mim estava faltando, tinha que me encaixar nesse molde que era esperado de mim”, disse em entrevista. A transição definitiva veio em 2012, quando Rent saiu de cartaz – e ela saiu das redes sociais para iniciar a “transição mental”. Alguns meses e muitos coquetéis de tratamentos hormonais depois, reemergiu como MJ, as iniciais de seu “nome morto”, e declarou que não iria mais aceitar papéis masculinos. 

    Daí por diante, fez dezenas de personagens menores na televisão e pensou em desistir diante da dificuldade de ganhar visibilidade no ramo, três semanas antes de conseguir o papel principal de Pose. Foi a mãe quem a convenceu a persistir na carreira: “Sua chance está logo na esquina, você vai ver!”, disse a intuição materna. Acertou na mosca. Agora, MJ deve estrelar uma comédia com Maya Rudolph para o streaming Apple TV+ e, recentemente, lançou o single Something to Say, prenúncio para um álbum que deve sair do forno em breve. “É, querida, a garota aqui está ralando o traseiro de tanto trabalhar”, brinca.

    As duas primeiras temporadas de Pose também estão disponíveis na Netflix.

    Continua após a publicidade
    Publicidade