Clique e assine a partir de 9,90/mês

Miley Cyrus estreia filme romântico e encerra fase Hannah Montana

Por Milene Chaves - 30 abr 2010, 10h31

Está marcada para o dia 14 de maio a estreia de A Última Música, filme estrelado pelo fenômeno teen Miley Cyrus. Ela é Ronnie, uma adolescente rebelde que encontra o primeiro amor e reencontra, através da música, o amor do pai. O papel marca a entrada de Miley no cinema, longe de Hannah Montana – personagem do seriado infanto-juvenil homônimo que a tornou hiperfamosa. “Já estou fora da categoria de infantil da Disney”, garantiu ela em minicoletiva concedida por telefone a seis veículos da América do Sul. Quase fora. A quarta e última temporada da série vai ser exibida no Brasil só no segundo semestre.

No seriado Hannah Montana, o pai da personagem principal é Billy Ray Cyrus, o próprio pai da atriz. A parceria familiar também foi levada ao cinema nos filmes Hannah Montana & Miley Cyrus Show: O Melhor dos Dois Mundos e Hannah Montana – O Filme. Em A Última Música, Miley está sem o pai a tiracolo, mas não completamente emancipada. O australiano Liam Hemsworth é o par romântico da personagem Ronnie e também o namorado na vida real da atriz. “Estamos juntos há dez meses e muito felizes”, comentou.

Eles se conheceram e se apaixonaram nas filmagens do longa, escrito por Nicholas Sparks, de Diário de uma Paixão e Um Amor para Recordar. Os filmes do autor, que assina pela primeira vez o roteiro, costumam unir dramas pessoais ou familiares a romances encrencados, com direito a cenas grandiosas de superação ou de belos primeiros beijos.

As adolescentes que cresceram com Miley devem aprovar esse drama ora triste, ora meloso, que se passa num verão à beira-mar (acompanhe o trailer abaixo). Completam o elenco Greg Kinnear e Kelly Preston, como os pais separados de Ronnie, e Bobby Coleman, o irmão da protagonista – um garotinho que rouba a cena.

Leia a seguir os principais trechos da conversa de que VEJA.com participou. Apesar de um tanto burocrática nas respostas, ela foi bastante simpática. Seu apelido, afinal, vem de “smiley” (sorridente).

Você foi criticada por deixar a Ronnie, personagem de A Última Música, muito parecida com Hannah Montana. Concorda?

Nunca ouvi falar disso, não acho que haja nenhuma similaridade. Devem ter visto o filme errado.

Por mudar de público, este filme é um marco na sua carreira?

Com certeza. É um filme que ainda fala de família, mas é um novo papel. É meu primeiro projeto mais distante de Hannah Montana.

No filme, a personagem lê Anna Karenina, de Tolstoi. Você já leu algo do autor? O que está lendo agora?

Nunca li Tolstoi. Minha autora favorita é Ellen Hopkins. Acho que seus livros são poéticos, mas meio soturnos.

Você acha que as pessoas podem esperar um filme engraçado e se decepcionar com uma história triste?

Espero que não se decepcionem com a minha escolha. Adoro o papel, fiquei feliz de fazê-lo e tenho muito orgulho dele.

Já pensou em ser diretora?

Adoro escrever, mas já pensei em dirigir, sim. Agora meu foco é na minha carreira mas, com certeza, no futuro, vou querer dirigir algum filme.

Continua após a publicidade

Você é uma estrela aos 17 anos. Tem saudade de algo da infância?

Faço apresentações desde que tenho 11, então não chego a sentir saudade de nada porque é só isso o que eu conheço. E amo o que faço.

Tem medo das críticas?

Parei de ler críticas há muito tempo. Há uma energia negativa que você não pode colocar no seu corpo, no seu espaço. Para mim, é preciso ser positivo em relação às coisas.

Você parece ser bastante auto-confiante e já declarou ter se “descoberto”. O que descobriu?

Tento ser superpositiva, acho que boas vibrações atraem coisas boas. Costumo dizer que o amor é a minha religião, é o que faz o mundo girar.

O que você gosta no Liam?

Ele é muito respeitoso. Ficava lá no set o tempo inteiro, mesmo quando a equipe não estava. Só ia embora quando sabia que tudo estava ok com as filmagens; pegava almoço pra todo mundo. Ele genuinamente se importa com as pessoas.

É verdade que vai se casar?

Não [enfática]. Um dia, mas não agora. Não sei quem disse isso, as pessoas vivem dizendo coisas estranhas sobre a minha vida.

Em que você está trabalhando?

No remake de um filme francês que vai se chamar LOL – Laughing Out Loud.

E quanto à participação em Sex and the City 2?

Foi divertido, adorava a série de TV, adorei o primeiro filme e fiquei feliz e honrada por terem me chamado para participar desse segundo.

Continua após a publicidade
Publicidade