Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Médicos se aproveitavam da fraqueza de Michael, diz ex-mulher

Segundo Debbie Rowe, profissionais competiam para ver quem dava analgésico mas potente ao cantor

Por Da Redação 15 ago 2013, 10h32

A ex-mulher de Michael Jackson, Debbie Rowe, prestou depoimento nesta quarta-feira julgamento do caso da família Jackson contra a produtora AEG Live, acusada de ser uma das culpadas pela morte do cantor, em junho de 2009. Mãe dos dois filhos mais velhos do astro pop, Prince e Paris Jackson, Debbie afirmou que os médicos se aproveitavam de Michael. Segundo ela, os profissionais pareciam competir para saber quem dava os analgésicos mais fortes ao cantor.

“Michael tinha uma tolerância muito baixa a dor. Seu medo de sentir dor era incrível e acho que os médicos se aproveitavam dele nesse sentido”, disse Debbie, que trabalhava como enfermeira nos anos 80, quando conheceu o cantor. Ela ainda afirmou que os médicos contatavam o astro para lhe oferecer remédios mais potentes que os que haviam sido sugerido por outros colegas, como forma de obter a atenção do artista. “Eles não se preocupavam com ele”, disse.

LEIA TAMBÉM:

LEIA TAMBÉM: Michael Jackson não conseguiu patrocínio para último show

Continua após a publicidade

Duetos entre Michael Jackson e Freddie Mercury vão ser lançados

Mãe: ‘Michael não queria fazer ‘moonwalk’ aos 50 anos’

Debbie afirmou ainda que Conrad Murray não foi o primeiro médico a dar propofol a Jackson. Segundo seu depoimento, o dermatologista Arnold Klein, com quem ela trabalhava, também dava o medicamento ao músico durante aplicações de botox.

Jackson começou a tomar analgésicos fortes após um acidente ocorrido em 1984, quando participava das gravações de um comercial para uma marca de refrigerantes, e teve seu couro cabeludo queimado. O cantor morreu em junho de 2009 por uma overdose de remédios, principalmente de propofol, substância receitada por Murray, condenado a 4 anos de prisão por homicídio involuntário.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês