Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Manifestações políticas contra Temer marcam Rock in Rio 2017

Festival contou com protestos antes mesmo da abertura dos portões no primeiro dia. Público ainda reivindicou as medidas que ameaçam a Amazônia

Por Da redação Atualizado em 18 set 2017, 12h06 - Publicado em 18 set 2017, 10h31

O Rock in Rio é um velho palco de manifestações políticas tanto dos artistas, quanto do público. Neste ano, não foi diferente. O primeiro fim de semana do evento foi marcado por gritos contra o atual presidente Michel Temer e as ameaças à Amazônia.

Na última sexta-feira, antes da abertura dos portões da Cidade do Rock, o “fora, Temer” ecoou. Quem aguardava para entrar se manifestou diante de câmeras de TV, que mostravam a expectativa para o festival. Mais tarde, em apresentações como de Pabllo Vittar, Fernanda Abreu e em uma homenagem ao samba, com cantores como Criolo, Alcione e Martinho da Vila, o grito de protesto foi novamente entoado pelo público.

Blitz no Rock In Rio 2017
Evandro Mesquita, vocalista da banda Blitz, aparece vestindo um cocar indígena, discursa sobre o desmatamento da Amazônia e contra o governo Temer no Rock In Rio 2017 Multishow/Reprodução

No sábado, o “Fora, Temer” chegou ao palco, na boca da cantora Mariana Aydar, integrante do tributo ao músico João Donato. Depois, viria a Blitz. A banda carioca, em seu show no Rock in Rio de Janeiro de 1985, saudara o recém-eleito presidente Tancredo Neves. Na ocasião, um jovem Herbert Vianna, além de Cazuza, cantou por dias mais felizes no Brasil que se anunciava.

Continua após a publicidade

Já o Evandro Mesquita de 2017 convocou: “Vamos mudar o Brasil!”. Pôs um cocar na cabeça e clamou pela Amazônia – numa referência à liberação da mineração numa área protegida: “A Amazônia está seriamente ameaçada por políticos corruptos, mineradores, pecuaristas, por cobiça. O governo Temer quer salvar seu pescoço sucateando a Amazônia. Demarcações já!”. A falta de popularidade do atual presidente refletiu também no show de Johnny Hooker, Liniker e Almério, quando o telão mostrou a frase: “Amar Sem Temer”.

A escolha de músicas de cunho político foi outra ferramenta para marcar o posicionamento dos artistas. A Blitz fez um cover de Aluga-se, de Raul Seixas, que em 1980 já zombava: “Os estrangeiros eu sei que eles vão gostar/ Tem o Atlântico com vista pro mar/ A Amazônia é o jardim do quintal/ E o dólar dele paga o nosso mingau”. Frejat, neste domingo, lembrou Ideologia e Pro Dia Nascer Feliz, ambas carregadas de simbologia. Ao ouvir um sonoro “fora, Temer” da plateia, retrucou: “Tá na hora”.

No sábado, o discurso de Samuel Rosa, do Skank, não fez menção a um político em específico, mas à classe. “A gente não se parece com vocês, políticos brasileiros. Vocês são piores do que ladrões. Graças a Deus, a apatia do povo está se dissipando.”

Ivete Sangalo Rock In Rio
Bandeiras LGBT, contra o racismo, e SOS Amazônia são erguidas durante show de Ivete Sangalo no Rock In Rio 2017 Multishow/Reprodução

A proteção da Amazônia, causa encampada pelo Rock in Rio com o projeto Amazônia Live, de restauração de árvores, já estava presente no Palco Mundo desde sexta-feira, nas vozes de Ivete Sangalo e Gisele Bündchen. O festival tem como parceiro o Ministério do Meio Ambiente.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês