Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Louboutin apresenta na boite Crazy Horse sua solas vermelhas e provocantes

Por Por Jean-François GUYOT 1 mar 2012, 15h08

Beijo lésbico em salto alto, de sola vermelha, freira penitente em salto agulha diante de um crânio, projeção de cruzes em corpos nus: o famoso design de sapatos Christian Louboutin, vai apresentar um espetáculo único, inspirado nos tempos do cabaré, como convidado da boite Crazy Horse.

Símbolos do erotismo e da elegância à francesa, o Crazy Horse e o célebre design, criador dos saltos agulhas com solado vermelho de sucesso internacional, apresenta-se por três meses, do dia 5 de março ao 31 de maio, neste templo parisiense do nu chique.

Após Dita von Teese e a princesa Clotilde Courau, Christian Louboutin é o primeiro criador de moda convidado a revisitar o show com uma revista inédita, “Feu” (Fogo em português).

O espetáculo, em quatro musicais, entre eles um de David Lynch, será apresentado em colaboração com a coreógrafa Patricia Folly. Christian Louboutin coloca em cena as “Crazy Girls” em saltos de 12 cm, em universos únicos, do hip hop ao barroco, em composições originais.

Com “A Penitente”, show muito esotérico, Louboutin joga decisivamente com a carta da provocação, ao espírito do fundador do Crazy, Alain Bernardin, que faleceu em 1994.

Aparecendo num hábito de lã e interrogando um crânio humano, a dançarina com botas de salto agulha envolve com as pernas, de maneira explícita, um genuflexório, enquanto cruzes cristãs são projetadas em seu corpo nu.

Continua após a publicidade

“É um quadro sobre a dualidade e a aceitação de sua sexualidade. O Crazy Horse já era subversivo e não esperava isso!”, estimou o design que se inspirou no pintor espanhol Francisco de Zurbaran (1598/1664), cuja obra é marcada por um profundo misticismo.

Andrée Deissenberg, diretora do Crazy Horse, lembra que Alain Bernardin já propôs um quadro com conotação esotérica e religiosa, no início dos anos 80, colocando em cena uma freira se despindo ao lado de um caixão. Depois de muitos comentários, este número acabou sendo retirado rapidamente do show.

Christian Louboutin revisita, também, um número antigo do Crazy Horse : numa cápsula espacial, uma dança lasciva entre duas “girls” nuas em saltos com paetês termina com um beijo lésbico.

“Desde os 13 anos, vi muitos espetáculos. Sempre me interessei pelos sapatos usados pelas dançarinas e a parte inferior do corpo”, explicou o design, estimando que “todos os sentimentos podem se expressar na linguagem das pernas, das coxas e das nádegas”.

Num outro número inédito, seis dançarinas das quais só se vê as pernas e as nádegas, realizam uma sessão de aeróbica, em saltos agulhas com solas vermelhas.

Nesta associação efêmera com o Crazy Horse, Christian Louboutin, “um amante dos cabarés”, rejeita qualquer tentativa de marketing : “é apenas um retorno às fontes”.

Continua após a publicidade
Publicidade