Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Leilão de mestres da pintura faz US$ 481 milhões em um único dia

Obras de Picasso, Monet, Van Gogh e outros grandes artistas dos séculos XIX e XX são arrematadas na Christie's em transmissão por streaming

Por Sergio Figueiredo Atualizado em 14 Maio 2021, 13h39 - Publicado em 14 Maio 2021, 10h19

Naquele que pode ter sido um dos últimos leilões de arte exclusivamente on-line da pandemia, a casa Christie’s de Nova York fez, nesta quinta-feira, 13, mais de 481 milhões de dólares em vendas com lotes de diversos mestres da pintura do século XIX e XX.

O campeão foi o quadro Mulher Sentada Perto de uma Janela, que Pablo Picasso pintou em 1932 inspirado por sua musa Marie-Thérèse, arrematado por 90 milhões de dólares (ou 103 milhões incluindo taxas). Também atingiram cifras expressivas as pinturas Ponte de Waterloo no Nevoeiro, de Claude Monet, arrematado pelo valor líquido de 42 milhões de dólares (valor bruto de 48,5 milhões) e A Ponte de Trinquetaille, de Van Gogh, vendido por 34 milhões de dólares (39,3 milhões com taxas).

Quase 1,4 milhão de pessoas acompanharam ao vivo as vendas da semana por 11 plataformas diferentes, incluindo YouTube, Facebook, o aplicativo de mensagens chinês WeChat e o site da própria Christie’s. Em parceria com a Microsoft, a casa proporcionou uma experiência inédita e imersiva na qual o público teve visão de 360 graus do anfiteatro de leilão, acompanhando os lances em tempo real. As propostas eram passadas, por telefone, ao representantes no local, sem revelar a identidade dos compradores.

A maioria dos lances vencedores veio dos Estados Unidos, seguidos por Ásia, Europa, Oriente Médio e África. À medida que as regras de distanciamento sociais forem sendo flexibilizadas (o uso de máscaras não é mais mandatório para vacinados de acordo com as autoridades sanitárias americanas), compradores presenciais poderão retornar à suntuosa sede da Christie’s no Rockefeller Center. No entanto, a transmissão virtual continuará, como já acontecia antes da pandemia, só que agora de forma tecnologicamente mais avançada.

 

Continua após a publicidade
Publicidade