Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Lars Von Trier, para variar, causa polêmica no Festival de Cannes

Cineasta exibiu o filme ‘The House that Jack Built’, que provocou a saída de muitos espectadores da sala no meio da sessão para convidados

Por Raquel Carneiro, de Cannes Atualizado em 15 Maio 2018, 09h37 - Publicado em 15 Maio 2018, 09h11

O novo filme de Lars Von Trier é bem Lars Von Trier, por assim dizer. Aos familiarizados com a obra do controverso cineasta dinamarquês, sabe-se que ele é afeito a cenas fortes e que mergulha sem pressa no vazio da violência. O combo aparece completo e potencializado no filme The House that Jack Built, sobre um assassino em série. A produção, contudo, deixou desgostosos muitos convidados que participaram da sessão de gala na noite desta segunda-feira no Festival de Cannes. Publicações no Twitter reclamam dos excessos do diretor, e mostram algumas dezenas de pessoas que deixaram a projeção no meio.

Reportagem de VEJA assistiu ao filme na sessão destinada à imprensa nesta manhã, onde a reação foi diferente. Os críticos acompanharam atentos o longa até o fim, e muitos chegaram a aplaudir quando subiram os créditos.

Matt Dillon interpreta Jack, um engenheiro com aspirações de arquiteto, mas que, na verdade, é um serial killer. Enquanto ele projeta sua casa perfeita, conta detalhes de cinco assassinatos que cometeu. Alguns mais brutais que outros, que chegam a ganhar um tom de humor negro pela maneira como acontecem. Atormentado por um transtorno obsessivo compulsivo (TOC), ele é meticuloso na limpeza dos locais e no sumiço dos corpos, levados para um antigo depósito refrigerado de pizzas, característica que lhe rende o apelido de Mr. Sophistication (Sr. Sofisticado, em tradução livre).

Assim como a obra anterior do cineasta, Ninfomaníaca, o protagonista conta a sua história a um homem desconhecido, e tenta chocá-lo. Apesar das atrocidades, ele demora um bocado para completar a missão de deixar o interlocutor boquiaberto.

A exibição do longa marca o retorno de Lars Von Trier ao festival de cinema francês, de onde foi banido em 2011 por fazer piadas consideradas nazistas durante uma conversa com a imprensa. Este ano, o cineasta passou longe da sala de coletivas. Mesmo assim, não conseguiu se livrar das polêmicas.

Continua após a publicidade

Confira abaixo algumas reações ao seu novo filme:

“Eu nunca vi nada assim em um festival de cinema. Mais de 100 pessoas saíram da sessão de The House that Jack Built, do Lars Von Trier, que contém cenas de mutilação de mulheres e crianças. ‘Nojento’, disse uma mulher antes de deixar a sala.”

“Foi com rapidez que a plateia sumiu do cinema depois do filme.”

“Acabo de sair do filme The House that Jack Built, do Lars Von Trier. Nojento. Pretensioso. Vontade de vomitar. Uma tortura. Patético.”

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês