Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Kevin Spacey se assume gay e pede desculpa por caso de assédio

Astro de 'House of Cards' diz não se lembrar da situação porque provavelmente estava 'muito bêbado', o que a vítima confirma

Por Da redação Atualizado em 2 nov 2017, 16h18 - Publicado em 30 out 2017, 09h44

Kevin Spacey, astro de Hollywood e estrela do drama político House of Cards, da Netflix, usou seu perfil no Twitter para pedir desculpas públicas ao também ator Anthony Rapp por um incidente ocorrido em 1986. Em uma entrevista ao BuzzFeed americano, Rapp disse que Spacey o assediou sexualmente quando ele tinha apenas 14 anos de idade. Rapp, que estrelou o musical Rent na Broadway, iniciava sua carreira no teatro à época do incidente.

Em uma postagem no Twitter, neste domingo, Spacey disse que ficou horrorizado ao ouvir o relato de Rapp sobre o encontro, do qual disse não se lembrar. Ele escreveu que deve “desculpas sinceras” a Rapp pelo que deve ter sido “um comportamento de bêbado profundamente inadequado”.

De fato, na entrevista ao BuzzFeed Rapp menciona a bebedeira de Spacey. O ator diz ter comparecido a uma festa oferecida por Spacey durante a qual o ator o pegou, levou a uma cama e se deitou sobre ele depois que outros convidados foram embora. Rapp, que disse ter tido a impressão de que Spacey estava bêbado, o afastou e foi embora.

Spacey, de 58 anos, que recebeu o Oscar por seus papéis nos filmes Os Suspeitos e Beleza Americana e o Prêmio Tony, o Oscar do teatro americano, por Proibido Amar, também disse que o relato de Rapp o “incentivou a tratar de outras coisas” na vida. “Amei e tive encontros românticos com homens ao longo de minha vida, e agora escolhi viver a vida como um homem gay”, escreveu. “Quero lidar com isso honesta e abertamente, e isso começa comigo examinando meu próprio comportamento.”

Continua após a publicidade

O ator, que também atuou como diretor artístico da companhia teatral londrina Old Vic durante 10 anos, passou anos se recusando a comentar rumores sobre sua sexualidade.

Hollywood e algumas das maiores empresas dos Estados Unidos foram abaladas nas últimas semanas por acusações de assédio sexual de dezenas de mulheres contra executivos.

O produtor Harvey Weinstein foi acusado por várias mulheres de assédio e abuso sexual em incidentes que remontam aos anos 1980, incluindo algumas que disseram ter sido estupradas.

Weinstein nega ter feito sexo não consensual com qualquer pessoa. Desde então ele foi demitido do posto de executivo-chefe da The Weinstein Company, que cofundou e que se tornou uma das forças mais influentes de Hollywood desde seu surgimento em outubro de 2005.

(Com agências France-Presse e Reuters)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês