Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Judy Garland: idolatria dos gays vem do início da carreira da atriz

A força do culto tem origem, sobretudo, nas suas canções

Por Sérgio Martins Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 14h59 - Publicado em 31 jan 2020, 06h00

Dorothy é aquela doce menina do Kansas interpretada por Judy Garland (1922-1969) em O Mágico de Oz. Mas seu nome não demorou a ganhar um sentido que vai além do clássico de 1939 no qual Judy, radiante aos 17 anos, era levada para uma terra mágica pela força de um tornado. Graças à sua amizade com um leão que carece de virilidade e à interpretação impagável da canção Over the Rainbow, ela logo se tornaria uma personagem, digamos, bandeira: nos Estados Unidos dos anos 60, ser “amigo de Dorothy” era um código para designar os homossexuais enrustidos.

Não à toa, a idolatria dos gays pela figura de Judy vem dos primórdios da carreira da atriz. E a identificação se alargaria com o passar do tempo. Andrógina, a Judy dos anos 50 e 60 tinha cabelos curtos, terninhos, jaquetas masculinas e calças de toureador. Mas a força do culto vem, sobretudo, de suas canções. Judy ia das interpretações embebidas de alegria (Get Happy) ao desabafo (The Man that Got Away). Over the Rainbow, seu testamento, é o lamento de uma criança sobre a infância bucólica que ela jamais desfrutou. Diante de diva tão poderosa, só resta uma dica a sua maior rival: desista, Barbra Streisand.

Publicado em VEJA de 5 de fevereiro de 2020, edição nº 2672


Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.