Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Jornalista bloqueia verba publicitária da RedeTV!

Berto Filho conseguiu na Justiça reverter 500 000 reais de patrocínio da Bombril ao programa 'Mega Senha' para o pagamento de seus salários atrasados

Por Da Redação 5 ago 2013, 21h49

O jornalista Berto Filho conseguiu na Justiça bloquear a verba de patrocínio da marca Bombril ao programa Mega Senha, da RedeTV!, para saldar os quinze meses de salários atrasados referentes ao período em que trabalhou na gravação de pilotos para a emissora. O valor bloqueado é de aproximadamente 500 000 reais. Segundo o advogado de Filho, Marcello Peral Hamed Humar, a decisão é inédita e abre precedente para outros ex-funcionários em situação parecida seguirem pelo mesmo caminho. A RedeTV! vai recorrer da decisão em instâncias superiores.

O game show Mega Senha é apresentado por Marcelo de Carvalho, sócio de Amilcare Dallevo Jr. na emissora, e premia participantes com 1 milhão de reais. Através da sua assessoria de imprensa, a RedeTV! afirma que não é sucessora da TV Manchete. “Alguns ex-funcionários da extinta TV Manchete, como Ulisberto Lelot, que adota o pseudônimo de Berto Filho, ainda tentam jogar a responsabilidade na empresa ao invés de se habilitarem no foro devido, que é a massa falida das empresas Bloch e Manchete”, diz a emissora em nota oficial.

A decisão do juiz do trabalho Leonardo Saggese Fonseca, da 17ª Vara do Rio de Janeiro, foi emitida no último dia 24. O próximo passo é a Bombril ser comunicada da decisão por meio de um oficial de justiça. Quando isso acontecer, a empresa terá prazo de 48 horas para transferir os 500 000 reais.

Sucessão trabalhista – O jornalista Berto Filho trabalhou na gravação de pilotos para o canal entre agosto de 1998 e novembro de 1999, justamente no processo de transição em que a TV Manchete se transformou em RedeTV!. Ao longo da batalha judicial que soma doze anos, Berto Filho recebeu proposta da emissora de pagar os salários atrasados em 38 inserções publicitárias, o que foi negado pela dificuldade de liquidez, ou seja, comercializar o espaço publicitário e transformá-lo em dinheiro .

A decisão judicial determina que, em casos específicos, como o do jornalista Berto Filho, a RedeTV! é sucessora do passivo trabalhista da TV Manchete. Isso contraria determinação da 9ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, datada de março de 2012, em que a RedeTV! foi considerada isenta das dívidas trabalhista, tributária e cível da extinta emissora de televisão.

Cassação – Há menos de uma semana, a RedeTV! foi alvo do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Radiodifusão e Televisão no Estado de São Paulo. A entidade exigiu a suspensão da concessão pública da emissora em carta enviada à presidente Dilma Rousseff e aos ministros da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, e da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, em 25 de julho. O sindicato acusa a RedeTV! de desrespeitar uma série de leis trabalhistas e prejudicar seus funcionários — os do período pós-Rede Manchete.

Continua após a publicidade

Teste de Fidelidade – O não pagamento de um cachê referente à participação no programa Teste de Fidelidade, de João Kléber, fez a modelo Priscila Vilela expressar a sua insatisfação em um vídeo postado no YouTube (assista abaixo). Priscila, que atuou como “sedutora” na atração, acusa a RedeTV! de ter lhe dado um calote depois de ela ter se recusado a fazer o “teste do sofá” com o diretor da atração. Além disso, a modelo diz que o programa é armado — não há traição, é tudo teatro, segundo ela.

Em nota oficial, o canal alega trabalhar com absoluto profissionalismo e informa que pagou o cachê da modelo. “A produção do programa Teste de Fidelidade manifesta perplexidade e repúdio em relação à postura da artista. Além disso, o cachê da atriz foi regularmente pago nos termos avençados.”

https://youtube.com/watch?v=VGXP8aL8pVM

Crise – A RedeTV! é alvo de especulações sobre a sua saúde financeira desde a saída dos humoristas do Pânico, em fevereiro do ano passado, que atribuíram a troca da emissora pela Band aos constantes atrasos nos salários.

A apresentadora Hebe Camargo também tornou pública a insatisfação com os atrasos no pagamento poucos meses antes de rescindir contrato com a emissora e preparar sua volta ao SBT. Hebe morreu antes de voltar a apresentar seu programa no canal de Silvio Santos, mas de pazes feitas com o amigo.

O humorista Rafinha Bastos foi contratado para abafar a crise, mas ele comunicou sua saída menos de um ano após ser anunciado como produtor-executivo da versão brasileira do humorístico americano Saturday Night Live, um fiasco.

Continua após a publicidade
Publicidade