Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

João Ubaldo Ribeiro é enterrado no Rio de Janeiro

Após missa, corpo seguiu para o Cemitério São João Batista, na Zona Sul, onde foi sepultado às 10h

Por Da Redação 19 jul 2014, 10h48

Em uma cerimônia reservada a familiares e amigos, o escritor, acadêmico e jornalista João Ubaldo Ribeiro, 73 anos, foi enterrado na manhã deste sábado, às 10 horas, no Cemitério São João Batista, na Zona Sul do Rio. Parentes e amigos voltaram à Academia Brasileira de Letras (ABL) na manhã deste sábado, onde o corpo estava sendo velado desde 13h de sexta, para prestar suas últimas homenagens ao acadêmico, que morreu na madrugada de sexta devido a uma embolia pulmonar.

Pouco antes das 9 horas uma missa foi rezada pelo monsenhor Sergio Costa Couto, capelão do Outeiro da Glória, que lembrou a pujança do pensamento e a personalidade do escritor. “Sempre me encantou em suas entrevistas a sinceridade de quem diz �eu não sei tudo�”. De lá, o corpo seguiu, por volta de 9h30, para o cemitério em Botafogo. A família quis esperar a chegada de uma de suas filhas, Manuela, que mora na Alemanha e chegou na manhã deste sábado no Brasil. O escritor foi sepultado no Mausoléu dos Imortais da ABL.

A mulher, Berenice Ribeiro, não saiu de perto do escritor e de seus filhos Bento Ribeiro (ex-VJ da MTV), Francisca e as filhas do primeiro casamento de João Ubaldo, Emília e Manuela. Além da família, estavam presentes acadêmicos como Arnaldo Niskier, Nélida Piñon, Evanildo Bechara e o historiador José Murilo de Carvalho.

Leia também:

‘Ele renunciou a tudo para escrever’, diz irmão de Ubaldo

Continua após a publicidade

João Ubaldo Ribeiro preparava novo romance

O acadêmico Domício Proença Filho leu as palavras escritas pelo presidente da ABL, Geraldo Holanda Cavalcanti, que não pode comparecer por problemas de saúde na família. Ele lembrou a perda recente de outro membro da academia, Ivan Junqueira. “A casa está triste, está chocada. João Ubaldo parte de surpresa e é o luto nacional”.

Na véspera, a ABL decretou luto por três dias. Ubaldo foi o sétimo ocupante da cadeira número 34 da academia, eleito em 7 de outubro de 1993, na sucessão de Carlos Castello Branco e recebido em 8 de junho de 1994. Atualmente, era colunista dos jornais O Estado de S. Paulo e O Globo.

Leia também:

ABL decreta luto de três dias por morte de João Ubaldo

‘Millôr deve estar esperando por ele, e a nós resta a dor’

Continua após a publicidade
Publicidade