Clique e assine a partir de 9,90/mês

Jane Fonda: ‘não queria morrer antes de fazer um filme francês’

Por Kevin Winter - 13 jan 2012, 13h13

A atriz de Hollywood Jane Fonda, que volta às telas em um filme francês sobre um grupo de amigos aos 70 anos, disse, nesta sexta-feira, que fazer o filme estava na sua lista de coisas para fazer antes de morrer.

Pronto para a estreia na próxima quarta-feira, “Et si on Vivait Tous Ensemble” (Por que não vivemos todos juntos?) fala sobre um grupo de amigos que decidem viver juntos, para dividir as alegrias e os desafios da velhice.

Este é o primeiro filme francês de Fonda desde sua estreia em 1972, em “Tout Va Bien” (Tudo vai bem), com o diretor da Nouvelle Vague, Jean-Luc Godard.

“Você conhece a expressão ‘bucket list’,” ela disse à rádio RTL em uma entrevista, em um francês fluente. “Quando você é velho, você prepara uma lista de todas as coisas que você quer fazer antes de morrer”.

“Eu queria fazer outro filme, em francês. Eu não podia morrer antes de fazer pelo menos um filme em francês”.

A atriz, que já foi guru da boa forma e completa 74 anos no próximo mês, disse que o filme de Stephane Robelin fala de várias questões que ela discute em um novo livro: o que as pessoas sentem quando ficam idosas e o sexo entre essas pessoas.

“Quando você está de fora, observando a velhice, é assustador”, disse ela. “Mas quando eu fiz meus 60, 70, eu percebi que eu nunca tinha sido tão feliz”.

Continua após a publicidade

“Primeiramente, eu tenho um amor, eu tenho um amante. E depois, eu tenho saúde,” disse a atriz. “Eu também tenho uma atitude muito positiva”.

Como a personagem dela no filme, Fonda é sincera como sempre sobre sexo.

“Você não tem que continuar com sua vida sexual na velhice, mas, para aqueles que querem, você tem que manter a sexualidade do seu corpo, você tem que pensar em masturbação, por exemplo”, disse ela.

A atriz também tem em comum com a personagem a preocupação em se preparar para, e até planejar, a própria morte.

“Ela compra o próprio caixão, ela quer uma cerimônia alegre, com todos bebendo champanhe. Eu estou completamente de acordo com isso. Não tenho medo de morrer”.

“Frequentemente penso sobre o fim, sobre como eu queria que fosse. Eu quero estar rodeada de amor, com meus filhos, meus netos, meus amigos. Eu quero dizer algumas sábias palavras”.

“Mas, para merecer esse amor, você tem que viver de certa forma entre o agora e o depois. Eu tenho que manter minha mente ativa para obter sabedoria”.

Continua após a publicidade
Publicidade