Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Ícone do cinema francês, ator Jean-Louis Trintignant morre aos 91 anos

Vencedor do Oscar pelo filme 'Amor', em 2013, foi pioneiro do Nouvelle Vague, movimento do cinema francês

Por Kelly Miyashiro Atualizado em 17 jun 2022, 19h08 - Publicado em 17 jun 2022, 18h23

Ícone do cinema francês e um dos principais atores do movimento Nouvelle Vague, Jean-Louis Trintignant morreu nesta sexta-feira, 17, aos 91 anos. A morte foi confirmada pela esposa do artista, Mariane Hoepfner Trintignant, à AFP (Agence France-Presse) em um comunicado transmitido pelo agente de Trintignant. O francês atuou em mais de 130 filmes e seu último papel foi Amor, em 2013, longa de Michael Haneke que lhe rendeu um prêmio Cesar de melhor ator. Além da companheira, ele deixa também o filho Vincent Trintignant.

Jean-Louis Trintignant teve sua carreira lançada junto com a de Brigitte Bardot com o filme de 1956 E Deus Criou a Mulher. Ele também recebeu duas Palmas de Ouro de melhor ator no Festival de Cannes de cinema. A primeira em 1966 pelo filme Um Homem, Uma Mulher, de Claude Lelouch, também famoso pela trilha sonora de Francis Lai; e a segunda por Z, de Costa Gavras, em 1969.

Ao lado de Jean-Pierre Léaud e Jean-Paul Belmond, Trintignant foi um dos principais atores do movimento francês Nouvelle Vague (Nova Onda, em tradução literal), que consistia em retratar o amor livre e os retalhos da vida de personagens típicos da conturbada época da Revolução de Maio 68, movimento político da França, com filmes caracterizados pela juventude de seus autores, que eram unidos pela vontade comum de transgredir as regras normalmente aceitas do cinema comercial.

Em 1970, o ator perdera a filha Pauline aos dez meses de idade após a recém-nascida de asfixia ligada à regurgitação de leite. Em 2003, o astro perdera sua outra filha Marie Trintignant, que também era uma atriz aclamada pela crítica, morta aos 41 anos após ser agredida pelo então namorado Bertrand Cantat, líder da banda francesa Noir Désir. O músico foi condenado por homicídio culposo e libertado da prisão em 2007.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)