Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

‘Hipertensão’: músculos, tatuagens e pouca roupa na disputa por meio milhão de reais

Com provas inspiradas em filmes de ação, terceira edição do programa estreia na noite desta quinta-feira na Globo. Boninho promete pegar leve nas provas com comida

Por Da Redação 8 set 2011, 19h14

Para quem gosta de ver gente sarada em trajes mínimos, submetida a provas de grande dificuldade, a terceira temporada do reality show Hipertensão será imperdível. A partir da noite desta quinta-feira, o programa, que tem nome de doença mas conta com uma seleção de candidatos cheia de saúde, vai ao ar após a exibição de O Astro – outra atração que, em seus melhores capítulos, também não prima pela quantidade de tecidos. O programa também será exibido aos domingos, após o Fantástico e em flashes diários.

Em disputa, estão 500 mil reais, mais os prêmios que os patrocinadores entregam ao longo do reality, assim como acontece no Big Brother Brasil e nos programas do gênero. Uma coisa já se sabe sobre o vencedor: muito provavelmente tem algumas tatuagens, malha pelo menos três horas por dia e declara “não ter medo” de quase nada. Pelo menos é o que informam as fichas e fotografias divulgadas pela Rede Globo, que pretende a partir de agora fazer edições anuais do Hipertensão.

A quantidade de músculos e a habilidade em esportes radicais tem a ver com o perfil que o diretor de núcleo dos reality-shows da Globo, J.B. de Oliveira, o Boninho, desenhou para o programa. Assim, saem as provas mais repugnantes em matéria de comida – insetos, animais vivos e répteis saem do cardápio – e entram competições com maior exigência de preparo físico. Deve aumentar também o número de ensaios sensuais a cada eliminação, mas essa é uma outra história.

O programa, avisou Boninho, tem provas inspiradas em filmes de ação. Uma aposta interessante da emissora, que escalou, a exemplo da temporada passada, a apresentadora e comentarista de esporte Glenda Kozlowski – também especialista em esportes radicais, com seu passado de bodyboarder.

Os sarados e saradas do Hipertensão carregam a missão de manter em alta a audiência de reality shows da Globo enquanto descansa o ‘grande irmão’ BBB, campeão absoluto de audiência nesse tipo de programa. No momento, está no ar o concorrente A Fazenda, da Record, com um elenco que aposta em sub-celebridades na descendente pós-graduadas em frases infelizes.

No quesito frase infeliz a competição vai ser boa também na Globo, pelo que indicam as fichas dos participantes. Além da musculação, os participantes têm em comum as declarações na linha do “estou pronto”, “não tenho medo”, “quero vencer meus desafios”. O personal trainer Fernando Jaeger, de 36 anos, avisa a que veio. Diz que “a cordialidade tem um prazo” com ele. “Meu defeito é que falo muito o que penso”, define-se o paulistano, deixando no ar um grande suspense sobre o que costuma pensar.

O carioca Joe diz que o reality show será “o clímax de tudo que gosta de viver”. A produtora de moda Marina, de São Paulo, tem entre seus atributos uma coleção de tatuagens de fazer inveja: 37, ao todo. Mas como ela entra no programa disposta a “testar seus limites”, é possível que até o fim do programa ela ganhe mais algum carimbo. Se precisar de ajuda, terá. Polliana, de 27 anos, estudante de Educação Física, ganha a vida como tatuadora. E Anderson Silva que se cuide: Polliana luta jiu-jístu e muay thai. Com ela, é bom que a cordialidade do intempestivo Fernando tenha um prazo de validade bastante longo.

Continua após a publicidade
Publicidade