Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

George Clooney sobre a falta de negros no Oscar: “Estamos caminhando na direção errada”

Este é o segundo ano consecutivo em que não há negros entre os indicados nas categorias de atuação

Por Da Redação 20 jan 2016, 08h17

Após o cineasta Spike Lee e Jada Pinkee Smith, esposa de Will Smith, terem anunciado que fariam um boicote ao Oscar devido à falta de atores negros entre os indicados, mais um nome de peso em Hollywood condenou a votação da Academia: George Clooney, estrela de filmes como Queime Depois de Ler e Os Descendentes. “Olhe para trás em alguns indicados. Por volta de 2004, certamente haviam negros entre os nomeados – como Don Cheadle, Morgan Freeman. E de repente, você sente que estamos caminhando na direção errada”, disse o ator e produtor à revista Variety.

LEIA TAMBÉM:

Spike Lee e mulher de Will Smith anunciam boicote ao Oscar por ausência de negros entre os indicados

“Decepcionante”, diz presidente da Academia sobre falta de negros no Oscar

Continua após a publicidade

Ator de ‘Selma’ diz que Hollywood só premia negros em papéis submissos

Confira a lista de indicados ao Oscar 2016

Na entrevista, Clooney disse que achou “ridículo” o fato de os atores Will Smith (Um Homem Entre Gigantes) e Idris Elba (Beasts of No Nation) não terem sido indicados ao Oscar deste ano, assim como criticou a não nomeação da diretora Ava DuVernay (Selma) na premiação de 2015. “E estamos falando dos negros, para os latinos é ainda pior. Nós precisamos ser melhores! Nós costumávamos ser”, afirmou o ator. Para ele, o problema não tem relação apenas com quem escolhe os indicados ao prêmio, mas também com as oportunidades dadas aos atores negros. “Quantas opções estão disponíveis para minorias nos filmes, particularmente nos filmes de qualidade?”, questionou.

Clooney ampliou suas críticas, reforçando sua tese de que estaria havendo uma regressão no cinema, como por exemplo entre as mulheres, que tinham grande espaço nos anos 1930, mas hoje têm dificuldades em arrumar papeis de destaque depois dos 40 anos. “Nós estamos vendo um movimento em relação a isso. Jennifer Lawrence e Patricia Arquette fizeram discursos sobre essa desigualdade. Porém, deveríamos ter prestado atenção nisso muito tempo atrás”, disse.

(Da redação)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês