Clique e assine a partir de 9,90/mês

Filme sobre prisão de Caetano Veloso será exibido no Festival de Veneza

Documentário ‘Narciso em Férias’ se passa durante a ditadura militar no Brasil

Por Raquel Carneiro - Atualizado em 28 jul 2020, 10h14 - Publicado em 28 jul 2020, 10h08

O documentário brasileiro Narciso em Férias foi selecionado pelo Festival de Veneza, evento marcado para acontecer entre 2 e 12 de setembro, na Itália. O longa dirigido por Renato Terra e Ricardo Calil, e que será exibido no festival fora de competição, narra o período em que o cantor Caetano Veloso foi preso pela ditadura militar, em 1968.

ASSINE VEJA

Os ‘cancelados’ nas redes sociais Leia nesta edição: os perigos do tribunal virtual. E mais: nova pesquisa sobre as eleições presidenciais de 2022
Clique e Assine

Segundo comunicado divulgado à imprensa, o filme traz depoimentos do músico relembrando a época em que ficou 52 dias encarcerado. Ele e o colega Gilberto Gil foram abordados por agentes do governo em suas casas, em São Paulo, no dia 27 de dezembro de 1968, duas semanas após a instauração do AI-5 – ato institucional que fechou o cerco contra críticos do regime. Os músicos foram levados ao Rio de Janeiro, onde foram presos em solitárias por uma semana, até serem transferidos para celas.

O tradicional Festival de Veneza será o primeiro grande evento cinematográfico a acontecer presencialmente este ano, após diversos outros festivais, como o de Cannes, cancelarem suas agendas por causa da pandemia do novo coronavírus.

Na prisão, Caetano compôs canções como Terra e Irene, esta última em homenagem à irmã caçula. “Eu tinha que comer ali no chão mesmo. Isso durou uma semana, mas pareceu uma eternidade”, conta o músico sobre o período na solitária. “Eu comecei a achar que a vida era aquilo ali. Só aquilo. E que a lembrança do apartamento, dos shows, da vida lá fora era uma espécie de sonho que eu tinha tido. Me lembro muito de uma frase que o Rogério Duarte me disse logo que eu fui solto: ‘Quando a gente é preso, é preso para sempre’. Acho que é assim mesmo.”

Publicidade