Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Festival de Veneza premia filme sobre aborto ilegal com o Leão de Ouro

Com assunto em alta no mundo, 'L'Evénement' levou o prêmio ao retratar saga de jovem francesa para interromper a gravidez nos anos 60

Por Amanda Capuano Atualizado em 11 set 2021, 20h20 - Publicado em 11 set 2021, 19h58

O Festival de Veneza chegou ao fim nessa sexta-feira, 11, e teve como grande vencedor o controverso filme francês L’Evénement (Happening, na tradução inglesa), um drama sobre aborto ilegal da cineasta Audrey Diwan. Adaptação do romance homônimo de Annie Ernaux, o filme narra a história de uma estudante universitária francesa que vê seu futuro profissional ameaçado ao engravidar durante os anos 1960. Sem opções legais para interromper a gravidez, ela decide fazer um aborto ilegal, e precisa passar por uma série de desafios sem o apoio do pai da criança, amigos ou parentes.

Com uma mensagem clara em favor da escolha feminina, o filme chega em um momento em que o tema voltou às manchetes no início de setembro, quando o estado do Texas aprovou uma lei que proíbe a realização de abortos depois da sexta semana de gestação — período em que muitas mulheres não sabem que estão grávidas — até mesmo em casos de estupro. Na outra ponta, o México descriminalizou o procedimento esta semana, tornando-se o país mais populoso da América Latina a autorizar a interrupção da gravidez.

  • Diante das opiniões divididas perante a nova regra americana e a decisão mexicana, o Júri de Veneza — este ano chefiado pelo sempre politizado diretor sul-coreano Bong Joon Ho — parece ter enviado uma mensagem pró-escolha ao aclamar L’Evénement com o prêmio mais importante do festival. “Eu fiz este filme com raiva, com desejo, com minha barriga, minhas entranhas, meu coração e minha cabeça. Me sinto ouvida esta noite!”, discursou Diwan ao receber a estatueta.

    O festival ainda premiou a neozelandesa Jane Campion com o troféu de melhor direção pelo filme The Power of the Dog, seu primeiro longa em 12 anos; a atriz Maggie Gyllenhaal ficou com o melhor roteiro por The Lost Daughter, e Penélope Cruz foi eleita melhor atriz por seu papel em Madres Paralelas, de Pedro Almodóvar. Já entre os homens, Pablo Sorrentino ficou com o Grande Prêmio do Júri, que rendeu ainda uma honraria dedicada a atores em início de carreira para Filippo Scotti.

    Confira o trailer do vencedor:

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade